Utilização de geotecnologias na identificação da precariedade urbana para regularização fundiária

Conteúdo do artigo principal

Fabio Noel Stanganini
https://orcid.org/0000-0002-2497-2395
Livia Mara de Almeida Melo
https://orcid.org/0009-0005-8411-9360
Gisela Cunha Viana Leonelli
Vitor Eduardo Molina Junior
https://orcid.org/0000-0002-6205-961X

Resumo

Neste artigo, tem-se como objetivo demonstrar a capacidade das ferramentas de geoprocessamento, incluindo imagens oriundas de diversos sistemas sensoriais, em contribuir para a caracterização, tanto sincrônica como diacrônica, de regiões que demandam regularização fundiária. Através da aplicação das ferramentas de geoprocessamento alinhado com produtos aerofotogramétricos na avaliação urbanística, busca-se demonstrar a presença e a progressão da ocupação informal periférica na cidade de Ribeirão Preto, no interior do estado de São Paulo. Este cenário é empregado como exemplo emblemático do fenômeno de favelização observado em cidades de porte médio no interior paulista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Stanganini, F., Melo, L., Leonelli, G., & Molina Junior, V. (2024). Utilização de geotecnologias na identificação da precariedade urbana para regularização fundiária. Metodologias E Aprendizado, 7(1), 31 – 49. https://doi.org/10.21166/metapre.v7i1.5038
Edição
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Fabio Noel Stanganini, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Geógrafo pela Universidade Estadual Paulista - UNESP (2007), mestre e doutor em Engenharia Urbana pela Universidade Federal de São Carlos (2016). Pós-doutorado em Engenharia Urbana pelo DeCiv entre 2017 e 2021. Professor Colaborador do Programa de Pós-graduação em Engenharia Urbana - PPGEU. Tem experiência na área de Geografia e Engenharia Urbana, com ênfase em Geografia da Saúde, Planejamento Ambiental Urbano e Sistema de Informação Geográfica. Atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento urbano, planejamento ambiental, SIG, geoprocessamento, sensoriamento remoto, software livre, impactos urbanos, impactos ambientais, cartografia temática, estudo de impacto de vizinhança, cadastro territorial multifinalitário e políticas públicas. Atualmente orientando pesquisas de mestrado e doutorado. Trabalhando em Projeto de Sensoriamento Remoto e Mapeamento Urbano Ambiental com Aeronaves Remotamente Pilotadas -RPA (drones) e Planejamento nas Novas Regiões Metropolitanas no Estado de São Paulo. 

Livia Mara de Almeida Melo, UFSCar / Discente

Mestranda em Engenharia Urbana pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana (PPGEU) da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, com ênfase na área de Geoprocessamento, na linha de pesquisa "Gestão, Planejamento e Tecnologias aplicados à Engenharia Urbana" e no tema "Geoprocessamento Aplicado ao Planejamento e Gestão de Cidades, Municípios e Região". Graduada em Arquitetura e Urbanismo (Bacharelado) pelo Centro Universitário Barão de Mauá - CUBM (2014-2018). Possui experiência na área de Arquitetura e Urbanismo no setor público, com estágio voluntário na Secretaria de Planejamento e Gestão do Município de Ribeirão Preto SP e no setor privado em um escritório de Arquitetura.

Gisela Cunha Viana Leonelli, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Professora Livre Docente, MS5.1 - Associada I, do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil, bem como do Programa de Pós-Graduação Arquitetura, Tecnologia e Cidade da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas - FECFAU UNICAMP. Líder do LOTE - Laboratório de Estudos de Urbanização e Regulação Urbana, certificado pelo CNPq, e colaboradora do YBY - Grupo de Estudos Fundiários, Políticas Públicas, Produção do Espaço e da Paisagem. Presidente da RED ELER - Red Latinoamericana de Estudios del rururbano (2021-2023). Membro do Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (2019-2022). Doutora em Arquitetura e Urbanismo pelo Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - IAU USP (2010). Mestre em Engenharia Ambiental pelo Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo - CRHEA USP (2003). Mestre em Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC-Campinas (2003). Especialista em Desenho e Gestão do Território Municipal pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC-Campinas (2001) e em Educação Ambiental pelo Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo - CRHEA USP (2001). Graduada em Arquitetura e Urbanismo pelo Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - IAU-USP. Gestão institucional: Vice-chefe do Departamento de Arquitetura e Construção da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas - FEC UNICAMP (20015-2018). . Editora da Revista PARC da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Campinas - FEC UNICAMP (2015). Membro titular do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano de Campinas - CMDU, SP (2015-2018). Consultora ad hoc da FAPESP, CAPES e CNPq. Apoio cientifico: os projetos desenvolvidos pela professora são apoiados por instituições de fomento como FAPESP, CAPES, CNPq e UNICAMP. Atuação institucional: foi Professora do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, Curitiba (2008-2011); foi Professora do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Metodista de Piracicaba (2007-2013); possui experiência profissional em planejamento e gestão urbana em órgãos públicos e organizações não-governamentais (Prefeitura Municipal de Jaú, Instituto de Pesquisa e Planejamento de Piracicaba e Instituto Pólis - Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais). Tem realizado pesquisas, atividades de ensino e extensão nos temas: fundamentos e instrumentos de planejamento urbano, história da regulação urbanística, gestão e politicas urbano-ambientais, com ênfase em parcelamento do solo urbano. Indicadores bibliométricos: Researcher ID; Scopus ID; Readlyc ID; Research Gate; Academia.edu; Google Scholar; ORCID: 0000-0002-2371-3092. 

Vitor Eduardo Molina Junior, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de São Carlos (1999), mestrado em Engenharia Urbana pela Universidade Federal de São Carlos (2003) e doutorado em Engenharia Urbana pela Universidade Federal de São Carlos (2012). Atualmente é professor da Faculdade de Tecnologia - Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Engenharia Urbana, atuando principalmente nos seguintes temas: SIG, Estudo de Impacto de Vizinhança, geoprocessamento, planejamento urbano, infraestruturas verdes.

Referências

AZEVEDO, G. S.; STANGANINI, F. N.; Análise da Geometria do crescimento da Mancha Urbana de Campinas entre 2000 e 2020. Estrabão, v. 4, p. 58-74, 2023. https://doi.org/10.53455/re.v4i.78

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Cia. das Letras, 1986.

BORGES DE MELO, R. E.; SILVA, R. S. da. A fragmentação socioespacial resultante dos processos de formação e expansão da cidade de Ribeirão Preto. In: 4º Congresso Internacional da Habitação no Espaço Lusófono, 2017, Covilhã, Portugal. Cidade Habitada. Covilhã, Portugal: Universidade da Beira Interior - CIARCHE - UBI, 2017. v. 1, p. 202-202.

BORGES DE MELO, R. E.; SILVA, R. S. da. O poder público municipal e o setor imobiliário: a produção e a apropriação do espaço periurbano em Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. En: VI Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo: Ciudad, Territorio, Cultura y Sociedad, 2014, Espanha. Metropolis Contemporánea. Barcelona: DUOT. Universitat Politecnica de Catalunya, 2014. p. 61-61.

BRASIL. Lei n. 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais para política urbana e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 10 jul. 2001.

CÂMARA, G.; QUEIROZ, G. R. Arquitetura de Sistemas de Informação Geográfica. In: Introdução à Ciência da Geoinformação. São José dos Campos: INPE, 2001. cap. 3. Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/introd/cap3-arquitetura.pdf. Acesso em: out. 2021.

FERNANDES, M. E.; ADAS, S. Meio técnico-científico-informacional e a região de Ribeirão Preto. In: A cidade e seus limites: as contradições do urbano na “Califórnia Brasileira”. São Paulo: Annablume; Fapesp; Ribeirão Preto: Unaerp, 2004.

FREITAS, C. F. S.; LIMA, L. S. Cadastro territorial e SIG no processo de regularização fundiária: o caso da ZEIS do Planalto PICI em Fortaleza, Ceará. In: Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação, 4., 2012, Recife. Anais... Recife: Programa de Pós-Graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação do Departamento de Engenharia Cartográfica da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, 2012.

GOOGLE EARTH PRO, V.7.3.4.8248. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. 21° 8'25.54"S, 47°46'3.44"O, Eye alt 4.28 Km. Maxar Technologies 2021. Recuperado em: 30 out. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. IBGE Cidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Recuperado em: 04 out. 2021, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/ribeirao-preto/panorama

KRAFF, J. N.; WURMA, M.; TAUBENBÖCK, H. The dynamics of poor urban areas - analyzing morphologic transformations across the globe using Earth observation data. In: Cities. v. 107, 2020.

LEITE, Marcos Edras. Favelas em Cidades Médias: algumas considerações. Revista Caminhos da Geografia. v. 11, n. 34, 2010. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16235

MARICATO, E. A terra é um nó na sociedade brasileira...também nas cidades.

NASCIMENTO, L. D. O uso do geoprocessamento na regularização fundiária e urbanística: uma proposta de apoio à decisão aplicada ao município de Taboão da Serra/SP. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2008.

PÁDUA, Juliana Lang. Favelização na cidade média do agronegócio: disputa pela terra no núcleo pioneiro da sojicultora. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Planejamento Urbano e Regional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

PEQUENO, L. R. B. Favelização Socioespaciais nas cidades médias brasileiras: mudanças e tendências nas políticas habitacionais. In: BELLET, C.; SPOSITO, M. E. B. (Eds.). Las ciudades medias o intermedias en um mundo globalizado. Lheida: Edicions da la Universitat de Lleida, 2009. v. 1, p. 203-226.

PEQUENO, Renato; ELIAS, Denise. Tendências da urbanização e dos espaços urbanos não metropolitanos. Cadernos Metrópole, v. 12, n. 24, 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=402837809006

PMRP - PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO. Plano municipal de saneamento básico e plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos de Ribeirão Preto. 1. ed. Secretaria de Administração, 2015.

RIBEIRÃO PRETO. Lei Complementar n. 2.866, de 27 de maio de 2018. Plano Diretor do Município. Ribeirão Preto: Diário Oficial, 27 maio 2018.

RIBEIRÃO PRETO. Mapa de Áreas Verdes, Institucionais e Urbanizadas. Secretaria de Planejamento e Gestão Pública - Departamento de Urbanismo, 2012.

ROCHA, G. D. C.; LOURENÇO, E. R. C. Geoprocessamento na regularização fundiária. Revista Acta Scientia. v. 2, n. 2, 2020. ISSN 2596-2078.

RIZZATTI, Helena. Urbanização corporativa vista pelo avesso: periferização, interseccionalidade e lugar - uma análise a partir das ocupações de terras urbanas. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, SP, 2020.

RIZZATTI, Maurício; BECKER, Elsbeth; CASSOL, Roberto; BATISTA, Natália. Cartografia temática e métodos de representação: uma revisão teórica. Estrabão, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 92–111, 2023. DOI: 10.53455/re.v4i.77.

SMOLKA, M. O. Regularização da Ocupação do Solo Urbano: O problema que é parte da solução, a solução que é parte do problema. In: FERNANDES, E.; ALFONSIN, B. A lei e a ilegalidade na produção do espaço urbano. Belo Horizonte: Del Rey, 2003.