Por que estou aprendendo isso? Debate competitivo como prática pedagógica

Conteúdo do artigo principal

Guilherme Augusto Hilário Lopes
https://orcid.org/0000-0002-4925-0153
Luiz Roberto Deschamps
Marcos Antônio Mattedi
Maiko Rafael Spiess

Resumo

O presente artigo propõe reflexões acerca de práticas pedagógicas desenvolvidas no âmbito escolar com estudantes do ensino médio do Colégio Unifebe. Busca apresentar os benefícios do debate competitivo como uma poderosa ferramenta de transformações sociais e uma grande aliada no processo de ensino aprendizagem por meio do emprego do debate no contexto escolar. Além disso, discorre sobre concepções de ensino aprendizagem cujo eixo consiste no protagonismo dos estudantes, destacando teorias que refletem o processo de ensino com vistas à valorização da autonomia dos adolescentes. Por fim, atualiza uma série de evidências empíricas referentes à implementação e democratização da prática do debate competitivo em território nacional, fortalecendo a adoção deste como um expediente de construção da cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Lopes, G. A. H., Deschamps, L. R., Mattedi, M. A., & Spiess, M. R. (2023). Por que estou aprendendo isso? Debate competitivo como prática pedagógica. Metodologias E Aprendizado, 6. https://doi.org/10.21166/metapre.v6i.4134
Edição
Seção
Relato de Experiência
Biografia do Autor

Guilherme Augusto Hilário Lopes, Universidade Regional de Blumenau

Professor do Ensino Básico e Superior. Licenciado em História e Ciências Sociais. Mestre e Doutorando em Desenvolvimento Regional pela Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Luiz Roberto Deschamps, Colégio Universitário UNIFEBE

Professor do Ensino Médio. Licenciado em Língua e Literatura Francesas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Coordenador adjunto de projetos para disseminação de debates no Ensino Médio.

Marcos Antônio Mattedi, Universidade Regional de Blumenau

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Regional de Blumenau (1991), mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1994),e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e estágio pós-doutoral no Centre de Sociologie de L´innovation - ENMP/Paris (2003). Dirige o Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos da Tecnociência - NET desde 2006 e atualmente é coordenador e professor titular do Programa de Pós Graduação em desenvolvimento Regional da Fundação Universidade Regional de Blumenau. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em sociologia do conhecimento científico, atuando principalmente nos seguintes temas: ciência e tecnologia, desenvolvimento regional, sociologia, impactos ambientais, desastres, meio ambiente e percepção ambiental. Atualmente tem pesquisado os processos de formação e dissolução de redes sociotécnicas. Site do Núcleo de Estudos da Tecnociência: https://www.net-dr.org/ Hotsite com publicações sobre a covid-19: https://www.net-dr.org/covid-19

Maiko Rafael Spiess, Universidade Regional de Blumenau

Formado em Ciências Sociais pela Universidade Regional de Blumenau (2007). É mestre (2010) e doutor (2014) em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Realizou estágio como pesquisador visitante (doutorado sanduíche) no Department of the History of Science, Harvard University, no período de 09/2012 até 08/2013. É professor no Departamento de Ciências Sociais e Filosofia e no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional (PPGDR), na Universidade Regional de Blumenau (FURB). É membro coordenador do Núcleo de Estudos da Tecnociência.

Referências

ANDRADE, C. D. R. O melhor candidato é o debate: O debate como influenciador direto para o sucesso de democracias. In: LOPES, G. A. H. (Org.). O debate é preciso: reflexões acerca do debate. 1ed. Brusque/SC: UNIFEBE, 2022, v. 1, p. 89-114. Disponível em: http://bit.ly/3QeY0CR. Acesso em: 29 jun. 2022.

ANDRADE, C. D. R.; MACHADO, M. O debate como um esporte: Entendendo as regras do jogo. In: LOPES, G. A. H. (Org.) O debate é preciso: reflexões acerca do debate. 1ed.

Brusque/SC: UNIFEBE, 2022, v. 1, p. 53-71. Disponível em: http://bit.ly/3QeY0CR. Acesso em: 29 jun. 2023.

BRUM, M. Torneios de debates ganham força entre estudantes brasileiros. Gazeta do Povo, Curitiba, 27. jun. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3jwGlGF. Acesso em: 20 jun. 2023.

BRUNS JUNIOR, C. “Cultura de debates integrada às disciplinas é ferramenta de ensino-aprendizagem no Colégio Unifebe”. Colégio Unifebe, Notícias 09. mai. 2022a. Disponível em: http://bit.ly/3XwnRs7. Acesso em: 10 jun. 2023.

BRUNS JUNIOR, C. Colégio Unifebe realiza o primeiro campeonato de debates escolar do estado. Unifebe, Notícias 06 jul. 2022b. Disponível em: http://bit.ly/3ZAwKmj. Acesso em: 10 jun. 2023.

FEBE - Fundação Educacional de Brusque. Projeto Político Pedagógico do Colégio Universitário UNIFEBE. Brusque: UNIFEBE, 2022.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido.17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. (O mundo, hoje, 21).

GOMES, V. S.; LOPES, G. A. H.; LOPES, T. G. P. Que história é essa de debate?. In: LOPES, G. A. H. (Org.). O debate é preciso: reflexões acerca do debate. 1ed. Brusque/SC: UNIFEBE, 2022, v. 1, p. 15-28. Disponível em: http://bit.ly/3QeY0CR. Acesso em: 21 mai. 2023.

HALE, T. A. Griots and griottes: masters of words and music. Bloomington: Indiana University Press, 1998.

IBD – Instituto Brasileiro de Debates. Conheça a Seleção Nacional de Debates Escolares - Time Brasil WSDC 2022. Blog Instituto Brasileiro de Debates. 30. jul. 2022. Disponível em: https://bit.ly/3ZCieL9. Acesso em: 08 jan. 2023.

KOHLER, A. A. Debate? Presente!: Os benefícios do debate no ambiente escolar. In: LOPES, G. A. H. (Org.). O debate é preciso: reflexões acerca do debate. 1ed. Brusque/SC: UNIFEBE, 2022, v. 1, p. 73-87. Disponível em: http://bit.ly/3QeY0CR. Acesso em: 28 mar. 2023.

LOPES, G. A. H. Introdução. In: LOPES, G. A. H. (Org.). O debate é preciso: reflexões acerca do debate. 1ed. Brusque/SC: UNIFEBE, 2022, v. 1, p. 11-14. Disponível em: http://bit.ly/3QeY0CR. Acesso em: 21 jun. 2023.

LOPES, G. A. H. Os músicos da noite blumenauense: um estudo de caso. 2016. 103 f. (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação em Ciências Sociais). Blumenau: FURB, 2016. Disponível em: http://www.bc.furb.br/docs/MO/2016/361930_1_1.pdf. Acesso em: 19 mar. 2023.

MACKENDRICK, P. The classical origins of debate. Central States Speech Journal, v. 12, n. 1, p. 16–20, jan. 1961. https://doi.org/10.1080/10510976009362569

PARCHER, J. The value of debate. Report of the Philodemic Debate Society. Washington: Georgetown University, 1998. Disponível em: https://pbcfl.net/wp-content/uploads/Article-The-Value-of-Debate.pdf. Acesso em: 12 jun. 2023.

ROGERS, C. R. Liberdade de aprender em nossa década. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

ROGERS, C. R. Tornar-se pessoa. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

SANCHEZ PRIETO, G. A. El debate competitivo en el aula como técnica de aprendizaje cooperativo en la enseñanza de la asignatura de recursos humanos. Aula: revista de pedagogía de la Universidad de Salamanca, 2017. https://doi.org/10.14201/aula201723303318

VAN ELS, P.; SABATTINI, E. Introduction: Political Rhetoric in Early China. Extrême-Orient Extrême-Occident, n. 34, p. 5-14, 2012. https://doi.org/10.4000/extremeorient.247

VOIGT SOUZA, E.; SUHR, I. Aprendizagem Cooperativa: aproximações e distanciamentos em relação ao pensamento de Paulo Freire. Metodologias e Aprendizado, [S. l.], v. 5, p. 158–167, 2022. https://doi.org/10.21166/metapre.v5i.2735