Mapeamento SIG de Risco Ambiental de Poluição Atmosférica em Empresas Catarinenses

Conteúdo do artigo principal

Ana Paula Marcon Hanada
https://orcid.org/0000-0002-1248-8125
Cássio Aurélio Suski
https://orcid.org/0000-0002-3965-4373

Resumo

Este artigo tem como objetivo elaborar um mapeamento SIG do risco ambiental de poluição atmosférica no Estado de Santa Catarina por meio dos dados de licenciamento ambiental de atividades porte G (Grande) conforme a Resolução CONSEMA n° 98/2017, visando caracterizar o risco potencial de poluição atmosférica a fim de servir como base para a instalação de futuras estações de monitoramento de qualidade do ar em todo o Estado. Aborda-se, de forma de forma geral, a poluição atmosférica, tema de grande relevância nos tempos atuais devido aos graves problemas de saúde pública (toxicidade) e de meio ambiente (efeito estufa). Foram utilizados dados do licenciamento ambiental do Estado de Santa Catarina, com o objetivo de construir um mapeamento SIG (Sistema de Informações Geográficas) e empregar ferramentas de Gerenciamento de Riscos. O levantamento totalizou 1398 empresas e foi possível construir um mapa de calor de Kernel, que mostra a concentração de empresas com maior risco de poluição local. Foram identificadas 15 áreas de concentração no mapeamento e listadas as principais atividades potencialmente poluidoras. Por fim, foram elencados os principais riscos, elaborados uma Matriz de Probabilidade de Impacto, um Planejamento de Respostas aos riscos do PMBOK (Project Management Body of Knowledge), assim como um plano de ações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Hanada, A., & Suski, C. (2024). Mapeamento SIG de Risco Ambiental de Poluição Atmosférica em Empresas Catarinenses. Metodologias E Aprendizado, 7(1), 20–30. https://doi.org/10.21166/metapre.v7i1.4107
Edição
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Ana Paula Marcon Hanada, Instituto Federal de Santa Catarina

Engenheira Civil, Discente no Programa de Mestrado Profissional em Clima e Ambiente no Instituto Federal de Santa Catarina

Cássio Aurélio Suski, Instituto Federal de Santa Catarina

Doutor em Ciência e Engenharia de Materiais, Docente no Programa de Mestrado Profissional em Clima e Ambiente no Instituto Federal de Santa Catarina

Referências

CETESB. Sistema QUALAR. Disponível em: <https://cetesb.sp.gov.br/ar/qualar/>. Acesso em: 30 jun. 2022.

CONAMA. Resolução CONAMA n° 237. - DOU n° 247, de 22 de dezembro de 1997, Seção 1, 19 dez. 1997.

CONSEMA. Resolução CONSEMA n° 98. - Atualizada até a Resolução CONSEMA no 185/21 de 03/12/2021 publicada no DOE/SC no 21.686 de 12/01/2022, 5 maio 2017.

IEMA. Plataforma da Qualidade do Ar. Disponível em: <http://energiaeambiente.org.br/qualidadedoar>. Acesso em: 30 jun. 2022.

IMA. Instituto do Meio Ambiente - IMA. Disponível em: <https://ima.sc.gov.br/index.php/o-instituto/o-que-e>. Acesso em: 30 jun. 2022.

LU, X. et al. Online detection and source tracing of VOCs in the air. Optics and Laser Technology, v. 149, 1 maio 2022. DOI: https://doi.org/10.1016/j.optlastec.2021.107826

MAYER, H. Air pollution in cities. Atmospheric Environment, v. 33, n. 24–25, p. 4029–4037, out. 1999. DOI: https://doi.org/10.1016/S1352-2310(99)00144-2

MONTES, E. Estratégias para riscos negativos ou ameaças. Disponível em: <https://escritoriodeprojetos.com.br/estrategias-para-riscos-negativos-ou-ameacas>. Acesso em: 11 jul. 2022.

PITIRICIU, M.; TANSEL, B. Volatile organic contaminants (VOCs) emitted from sewer networks during wastewater collection and transport. Journal of Environmental Management, v. 285, 1 maio 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jenvman.2021.112136

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Um Guia Do Conhecimento Em Gerenciamento De Projetos. [s.l.] Project Management Inst, 2013.

SERPA, R. R. Gerenciamento de riscos ambientais. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Editora UFPR, p. 101–107, 2002. DOI: https://doi.org/10.5380/dma.v5i0.22120