(Ciber)Espaço geográfico da política O potencial educativo por detrás dos memes sobre as eleições presidenciais

Conteúdo do artigo principal

Vitor Colleto dos Santos
https://orcid.org/0000-0003-4964-1733
Milena Ilha Lopes
https://orcid.org/0000-0002-9730-0127
Maurício Rizzatti
https://orcid.org/0000-0002-1795-9002
Natália Lampert Batista
https://orcid.org/0000-0002-1884-2340

Resumo

Pensar a linguagem memética enquanto ferramenta de Educação Política, no ensino de Geografia, é fundamental, especialmente, em um contexto que urge pela interpretação crítica dos textos multimodais frente a pós-verdade. Pretende-se, revelar o potencial dos (hiper)textos meméticos, que desfrutam de uma aparição não só nas eleições presidenciais norte-americana (2014) e, de modo especial, brasileira (2014 e 2018) para com a promoção da conscientização política acerca de quem são os candidatos, bem como das instituições democráticas envolvidas em um processo eleitoral, indo além da geração de comicidade efêmera das figuras eleitorais. Para tanto, metodologicamente, este artigo propõe-se a fazer uma espécie de classificação dos memes políticos. A partir da discussão sobre a maneira pela qual as categorias dos memes políticos podem ser utilizadas como linguagem para a promoção da Educação Política nas escolas, o que culminou na proposição de uma nova categoria – a dos memes político-educativos. Cabe destacar que a iniciativa de colocar os memes como metodologia para inserir a política em sala de aula extrapola a catarse que eles são capazes de provocar e estimula o pensamento crítico e a reflexão frente a desinformação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Santos, V., Lopes, M., Rizzatti, M., & Batista, N. (2023). (Ciber)Espaço geográfico da política: O potencial educativo por detrás dos memes sobre as eleições presidenciais. Metodologias E Aprendizado, 6, 450–464. https://doi.org/10.21166/metapre.v6i.3749
Edição
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Vitor Colleto dos Santos, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Graduando em Geografia (Licenciatura Plena) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Participante do Laboratório de Ensino e Pesquisas em Geografia e Humanidades (LEPGHU), da UFSM. É colunista no site TudoGeo e criador de conteúdo digital no Instagram @geography.planet. Tem interesse nas áreas de pesquisa de Ensino de Geografia; Multiletramentos e Multimodalidade; Novas Tecnologias de Informação e Comunicação e Metodologias Didáticas na Geografia; e Memética.

Milena Ilha Lopes, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Graduanda em Geografia (Licenciatura Plena) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Participante do Laboratório de Ensino e Pesquisas em Geografia e Humanidades (LEPGHU), da UFSM.

Maurício Rizzatti, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Graduado em Geografia Licenciatura Plena e Geografia Bacharelado pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Especialista em Cartografia e Sensoriamento Remoto pela Faculdade Metropolitana do Estado de São Paulo (EAD). Especialista em Tecnologias Aplicadas à Educação, Metodologias Ensino de Geografia e Administração Escolar, Supervisão e Orientação pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI). Mestre em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGGeo) pela UFSM. Doutor em Geografia - Passagem Direta para o Doutorado - pelo PPGGeo da UFSM. Atualmente é Pós-Doutorando em Geografia no PPGGeo/UFSM com temática de pesquisa voltada ao Cadastro Técnico Multifinalitário (CTM) e Docente na Prefeitura Municipal de Agudo, RS e no Mestrado Profissional em Ensino de Geografia em Rede Nacional (PROFGEO), pelo Instituto Federal Catarinense (IFC), Brusque/SC. Pesquisa e atua na área de Cartografia, Geoprocessamento, Cartografia Escolar e a Teoria das Inteligências Múltiplas, Geotecnologias, Sensoriamento Remoto na Educação Básica; Geografia Física, Geografia Urbana e Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). Registrado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Sul sob o n° RS252565, com atribuições profissionais referentes a profissão de Geógrafo. 

Natália Lampert Batista, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Graduação em Geografia (Licenciatura Plena) pelo Centro Universitário Franciscano. Especialização em Cartografia e Sensoriamento Remoto e em Geografia Populacional, Urbana e Econômica pela Faculdade Metropolitana do Estado de São Paulo (EAD). Mestrado, Doutorado e Pós-doutorado em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGGeo) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é Professora Adjunta A (Nível 2) no Departamento de Geociências e no Programa de Pós-graduação em Geografia, da UFSM, e Professora Colaboradora no Mestrado Profissional em Ensino de Geografia em Rede Nacional (PROFGEO), no Instituto Federal Catarinense (IFC), Polo Brusque/SC. Coordenadora do Laboratório de Ensino e Pesquisas em Geografia e Humanidades (LEPGHU), da UFSM. Foi docente de Geografia no Ensino Fundamental na Prefeitura Municipal de Santa Maria/RS. Tem interesse nas áreas de pesquisa de Ensino de Geografia e Cartografia Escolar; Formação de Professores; Cartografia Temática; e Geografia Urbana. 

Referências

Academia Brasileira de Letras (ABL). (2022) Pós-verdade. Disponível em: <https://www.academia.org.br/nossa-lingua/nova-palavra/pos-verdade>. Acesso em: 14 de nov. 2022.

Blackmore, S. 1999. The Meme Machine. Oxford: Oxford University Press.

CHAGAS, V. A febre dos memes de política. Revista Famecos, v. 25, n. 1, p. 1-26, 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.15448/1980-3729.2018.1.27025

CHAGAS, V. et al. A política dos memes e os memes da política: proposta metodológica de análise de conteúdo de memes dos debates eleitorais de 2014. Intexto, n. 38, p. 173-196, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.19132/1807- 8583201738.173-196>. Acesso em: 14 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201738.173-196

CHAGAS, V. Da memética aos memes de internet: uma revisão da literatura. BIB, São Paulo, n. 95, 2021, p. 1-22. Disponível em: <https://doi.org/10.17666/bib9506/2021>. Acesso em: 14 de nov. 2022.

CHAGAS, V. Meu malvado favorito: os memes bolsonaristas de WhatsApp e os acontecimentos políticos no Brasil. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol 34, nº 72, p.169-196, Jan./Abril, 2021. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S2178-149420210109>. Acesso em: 14 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/s2178-149420210109

DAWKINS, R. O Gene Egoísta. Belo Horizonte: Itatiaia, 2001.

DENNETT, D. C. Consciousness Explained. Boston: Little, Brown and Company, 1991.

EXTRA. Memes dominam a web no segundo turno das eleições de 2022. Disponível em: <https://extra.globo.com/noticias/politica/memes-dominam-web-no-segundo-turno-das-eleicoes-de-2022-confira-25600591.html>. Acesso em: 14 de nov. 2022.

ITUASSU, A.; LIFSCHITZ, S.; CAPONE, L.; MANNHEIMER, V. De Donald Trump a Jair Bolsonaro: democracia e comunicação política digital nas eleições de 2016, nos Estados Unidos, e de 2018, no Brasil. 8º Compolítica, 2019, Brasília. 8o Congresso da Associação Brasileira dos Pesquisadores em Comunicação e Política, 2019. Disponível em: < http://ctpol.unb.br/compolitica2019/GT4/gt4_Ituassu_et_al.pdf>. Acesso em: 14 de nov. 2022.

Mars, A. 2018. Como a desinformação influenciou nas eleições presidenciais? El País. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/24/internacional/1519484655_450950.html>. Acesso em: 14 de nov. 2022.

Milner, R. 2013. Pop polyvocality: internet memes, public participation, and the Occupy Wall Street Movement. International Journal of Communication, Los Angeles, v. 7, p. 2357-2390.

Leal-Toledo, G. 2013. Searching for a foundations of memetics. Trans/Form/Ação, Marília, v. 36, n. 1, p.187-210. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000100011

Oliveira, K. E. De J., Porto, C. De M. & Alves, A. L. 2019. Memes de redes sociais digitais enquanto objetos de aprendizagem na Cibercultura: da viralização à educação. Acta Scientiarum. Education, v. 41. DOI: https://doi.org/10.4025/actascieduc.v41i1.42469

Oxford Languages. 2022. Word of the Year 2016. Oxford University Press. Disponível em: <https://languages.oup.com/word-of-the-year/2016/>. Acesso em: 14 de nov. 2022.

Poder 360. 2022. Políticos apostam em memes para aumentar popularidade. Disponível em: <https://www.poder360.com.br/eleicoes/politicos-apostam-em-memes-e-trends-para-aumentar-popularidade/>. Acesso em: 14 de nov. 2022.

Raffestin, C. 1993. Por uma Geografia do Poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática.

Rodriguez-Andres, R. 2018. Trump 2016: presidente eleito graças às redes sociais? Palabra Clave (online), vol.21, n.3, p. 31-859. Disponível em: <http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0122-82852018000300831&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 14 de nov. 2022. DOI: https://doi.org/10.5294/pacla.2018.21.3.8

Santos, V. C. Dos, Rizzatti, M., Petsch, C. & Batista, N. L. 2022. O que não é cringe no ensino de geografia? Sobre práticas multiletradas e interatividade no processo de ensino-aprendizagem contemporâneo. Estudos Geográficos: Revista Eletrônica de Geografia, v. 20, n. 1, p. 59-80. DOI: https://doi.org/10.5016/estgeo.v20i1.16332

Shifman, L. 2014. Memes in a Digital Culture. Cambridge: The MIT Press. DOI: https://doi.org/10.7551/mitpress/9429.001.0001