Reflexões sobre a atuação docente como estratégia formativa pensando narrativas da disciplina de Vivências Pedagógicas como subsídio a formação de professores(as)

Conteúdo do artigo principal

Franciele Delevati Ben
Carla Pizzutti Savian
Lucian Armindo da Silva Brinco
Natália Lampert Batista

Resumo

Pensar a formação docente mediante às vivências e a realidade escolar é fundamental para constituição do(a) professor(a). Nesse sentido, o objetivo do presente artigo foi apresentar as narrativas que embasaram a disciplina de Vivências Pedagógicas I (GCC 1085), do Curso de Geografia (Licenciatura Plena) da UFSM. A disciplina buscou identificar a existência de formas de organização de ensino e apresentar os diferentes contextos escolares, considerando a necessidade de ajustamento/adaptação das abordagens geográficas em diferentes níveis, sistemas de ensino, modalidades e contextos socioespaciais. Dessa forma, no que diz respeito à metodologia, apresentamos uma síntese de debates de aula, bem como entrevistas e questionários aplicados para docentes, com a intenção de refletir sobre suas práticas pedagógicas escolares e formação de professores. Através disso, concluímos que, mesmo em REDE, a disciplina colaborou com a formação dos(as) professores(as), para percebermos a importância do reconhecimento do outro na nossa formação, bem como da valorização das nossas trajetórias na produção de saberes profissionais docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Ben, F. D., Savian, C. ., Brinco, L. A. da S. ., & Lampert Batista, N. (2022). Reflexões sobre a atuação docente como estratégia formativa: pensando narrativas da disciplina de Vivências Pedagógicas como subsídio a formação de professores(as). Metodologias E Aprendizado, 5, 185–198. https://doi.org/10.21166/metapre.v5i.2745
Edição
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Franciele Delevati Ben, UFSM

Graduanda do Curso de Geografia Licenciatura na Universidade Federal de Santa Maria. Atualmente é pesquisadora do Laboratório de Geologia Ambiental (LAGEOLAM) da UFSM, participando do projeto Estudo do Lugar a partir do Atlas Geoambiental dos Municípios drenados pela Bacia do Rio Ibicuí, é também voluntária no Laboratório de Ensino e Pesquisas em Geografia e Humanidades (LEPGHU) da UFSM e Divulgadora Científica da Página Cartografia Viral no Instagram. Atua principalmente nos seguintes temas: mapeamento geoambiental, caderno didático e atlas.

Carla Pizzutti Savian, UFSM

Atualmente, graduanda em Geografia na Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, pesquisadora e extensionista bolsista no Laboratório de Espacialidades Urbanas (LABEU) e pesquisadora voluntária no Laboratório de Ensino e Pesquisas em Geografia e Humanidades (LEPGHU), ambos da UFSM. Divulgadora Científica pelo projeto Cartografia Viral, no Instagram e incentivadora da leitura pelo Podcast Acrópole do Livro, no Spotify. Tem interesse em estudos de Gênero, Espaço Urbano e Feminismo Interseccional; Geografia Urbana; Planejamento Territorial e Cartografia.

Lucian Armindo da Silva Brinco, UFSM

Possui Graduação em Geografia (Licenciatura Plena) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente, é mestrando no Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGGEO) na mesma instituição.

Natália Lampert Batista, UFSM

Graduação em Geografia (Licenciatura Plena) pelo Centro Universitário Franciscano. Especialização em Cartografia e Sensoriamento Remoto e em Geografia Populacional, Urbana e Econômica pela Faculdade Metropolitana do Estado de São Paulo (EAD). Mestrado, Doutorado e Pós-doutorado em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGGeo) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é Professora Adjunta no Departamento de Geociências e no Programa de Pós-graduação em Geografia e Coordenadora do Laboratório de Ensino e Pesquisas em Geografia e Humanidades (LEPGHU), da UFSM. É Professora no Mestrado Profissional em Ensino de Geografia em Rede Nacional (PROFGEO), no Instituto Federal Catarinense (IFC), Polo Brusque/SC. Tem interesse nas áreas de pesquisa de Ensino de Geografia e Cartografia Escolar; Formação de Professores; Cartografia Temática; e Geografia Urbana. Foi docente de Geografia no Ensino Fundamental na Prefeitura Municipal de Santa Maria/RS.

Referências

ASSIS, L. L. O Curso de formação de docentes, modalidade normal, em nível médio - Questões atuais em perspectiva histórica. XII Congresso Nacional de Educação, 2015. Eixo Temático: Formação de professores, complexidade e trabalho docente. p. 39982 - 39991.

BATISTA, N. L.; RIZZATTI, M.; DE FARIA, R. M.; FELTRIN, T. A docência geográfica em tempos de pandemia. In: DE FARIA, R. M.; BATISTA, N. L. RIZZATTI, M.(Org). Os contextos geográficos da COVID-19: possibilidades em tempos de pandemia, Eulim: Rio de Janeiro, 2020, p.89 - 117.

BOHRER, M.; KAERCHER, N. A. A escuta atenta através da Geografia: o Ensino Médio Técnico Integrado visto pelos jovens fronteiriços. CASTROGIOVANNI, A. C.; TONINI, I. M.; KAERCHER, N. A.; COSTELLA, R. Z. (Org.). Movimentos para ensinar Geografia - Oscilações. 1ed.Goiânia: C&A Alfa Comunicações, 2018, v. IV, p. 275-292.

BRANCO, E. P. et al. Uma visão crítica sobre a implementação da Base Nacional Comum Curricular em consonância com a Reforma do Ensino Médio. Debates em Educação, Universidade Federal de Alagoas, v. 10, n. 21, maio/ago. 2018.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº1, de 5 de janeiro de 2021. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Profissional e Tecnológica. Brasil: Ministério da Educação/Conselho Nacional da Educação, 2021.

COPATTI, C. Livro didático de geografia: da produção ao uso em sala de aula. Eliseé - Revista da Geografia da UEG, Universidade Estadual de Goiás, v. 6, n. 2, p. 74-93, jan. 2018.

DE MENEZES, P. K. O Ensino de Geografia em Diferentes Contextos: os desafios da atuação docente na Educação do Campo. Revista Brasileira de Educação em Geografia, v. 7, n. 13, p. 456- 470, 2017.

DONICHT, R. S.; DUARTE, A. F. A invisibilidade como sintoma da vulnerabilidade social. Estudos Contemporâneos da Subjetividade – ECOS, Campos dos Goytacazes – RJ, v.11, n.1, p. 78-89, 2021.

FORTUNATO, I. Tornar-se Professor: reflexões iniciais sobre um percurso paradoxal. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, [S. l.], v. 4, n. 1, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIROTTO, E. D.; MORMUL, N. M. O perfil do professor de geografia no Brasil: Entre o profissionalismo e a precarização. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 20, n. 71, p. 420 - 438, 2019.

GIROTTO, E. D. Dos PCNs a BNCC: o Ensino de Geografia sob o domínio neoliberal. Geo UERJ, Rio de Janeiro, n. 30, p. 419-439, 2017.

KELLER, L.; BECKER, E. L. S. A Trajetória da Educação de Jovens e Adultos no Brasil. Revista Eletrônica EJA em Debate, [S. l.], v 9, n. 15, 2020.

RIO GRANDE DO SUL (RS). Resolução do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul. CEED, 2000. https://www.ceed.rs.gov.br/upload/arquivos/202001/17165646-1211302720reso 0252.pdf. Acesso em: 09 de fev. 2022.

SANTANA, A. F. T; PEREIRA, M. V. Da constituição da professoralidade ou como alguém se torna professor. REVELLI-Revista de Educação, Língua e Literatura da UEG-Inhumas, [S. l.], v.11, p. 1-18, 2019

MENESES, V. S.; COSTELLA, R. Z. Memória e Narrativas (Auto)biográficas: a construção da identidade docente de professores formadores em Geografia. Revista Eletrônica Para Onde? Porto Alegre - RS, v.13, n.1, p.250-266, 2020.

MENEZES, V. Das vidas vividas às vidas contadas: O método (auto) biográfico na formação docente em Geografia. Metodologias e Aprendizado, [S. l.], v. 4, p. 266-273, 2021.