As redes urbanas e a difusão do SARS-COV-2 Uma análise da Região de Saúde Sul do Rio Grande do Sul

Conteúdo do artigo principal

Tiaraju Salini Duarte
Eduardo Schumann

Resumo

A propagação do coronavírus SARS-CoV-2 no mundo está diretamente relacionado à característica de concentração populacional em espaços urbanos juntamente com a evolução técnica nos meios de transporte. Neste contexto de intensas trocas, torna-se possível compreender que as redes urbanas possuem um papel essencial no processo de integração entre os mais variados municípios, viabilizando uma maior velocidade na difusão de determinadas doenças. Desta discussão elencamos nosso objetivo geral, o qual analisa a difusão do SARS-Cov-2 na região de Saúde Sul do estado do Rio Grande do Sul/BR, buscando compreender a relação entre a rede urbana regional e o avanço da Covid-19. A base para os mapeamentos deu-se a partir do uso de técnicas exploratórias de dados espaciais. Podemos constatar que a forma como esta doença evoluiu possui quatro momentos distintos:o primeiro é associado a hierarquia urbana através dos primeiros casos confirmados nas cidades pólos da região; o segundo está relacionado ao avanço da Covid-19 para os municípios que possuem maior proximidade territorial e relações econômicas com as centralidades regionais; o terceiro movimento refere-se ao processo de difusão para localidades afastadas; o quarto momento é relativo a transmissão intramunicipal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Duarte, T. ., & Schumann, E. (2022). As redes urbanas e a difusão do SARS-COV-2: Uma análise da Região de Saúde Sul do Rio Grande do Sul. Metodologias E Aprendizado, 5, 139–150. https://doi.org/10.21166/metapre.v5i.2646
Edição
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Tiaraju Salini Duarte, Universidade Federal de Pelotas

É professor Adjunto da Universidade Federal de Pelotas, Doutor em Geografia Humana com ênfase em planejamento territorial pela Universidade de São Paulo - USP. Formado em Geografia pela Universidade Federal de Pelotas e Mestre em Geografia com foco em planejamento regional pela Universidade Federal de Rio Grande - UFRG. Foi professor adjunto da Universidade Federal de Goiás (regional Goiânia) nos anos de 2017 e 2018, atuando junto aos cursos de Geografia (licenciatura e bacharelado) e Ciências Ambientais. É líder do Grupo de pesquisa GEOTER (Geografia Política, Geopolítica e Territorialidades) cadastrado no CNPQ. Coordena atualmente os projetos de pesquisa: Covid-19 no estado do Rio Grande do Sul: uma análise do processo de dispersão territorial do vírus e seus impactos no sistema de saúde; Territórios microcervejeiros no estado do Rio Grande do Sul: uma análise do Circuito Espacial de Produção e do Círculo de Cooperação Econômica; e Geopolítica e Territorialidades: campos hegemônicos e contra-hegemônicos. Orienta pesquisas a nível de Graduação e Pós-Graduação (mestrado) junto a Universidade Federal de Pelotas, sendo membro permanente no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPel. Atua nas áreas de Geografia Política e Territorialidades, Planejamento territorial e Segurança Pública. Ministra as disciplinas de Organização do Espaço Mundial, Geografia Política e Epistemologia da Geografia.

Eduardo Schumann, Universidade Federal de Pelotas

Mestrando no programa de Pós-Graduação/PPGEO da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Diretor comercial da Empresa Júnior Vetor Geotec Soluções geográficas e membro do Laboratório de Estudos Urbanos e Regionais (LEUR), ambos vinculados ao curso de Geografia da UFPel. Possui experiência na área de Geografia Política e Geografia da Saúde, as quais desenvolvem-se por meio do grupo de estudo Geografia Política, Geopolítica e Territorialidades - GEOTER cadastrado no CNPQ. Bolsista de extensão vinculado ao projeto Geografias em movimento. Bolsista voluntário de iniciação científica no projeto Covid-19 no estado do Rio Grande do Sul: uma análise do processo de dispersão territorial do vírus e seus impactos no sistema de saúde.

Referências

BRASIL, Ministério da Saúde. Painel Coronavírus. Atualizado em: 25/04/2020. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/ . Acesso em: 20 jul. 2020.

CATÃO, R. C. Expansão e consolidação do complexo patogênico do dengue no Estado de São Paulo: difusão espacial e barreiras geográficas. 2016. 274 f.. Tese (Doutorado em Geografia). Faculdade Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/141450?show=full . Acesso em: 10 ago. 2020.

CORRÊA, R. L. A Rede Urbana. 2. ed. São Paulo: Ática, 1994. 96 p.

GUIMARÃES, R. Saúde: Fundamentos da geografia humana. 1. ed. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2015. 110 p.

COLLISCHONN, E et al. Mobilidade Pendular E Morfologia na Região Funcional De Planejamento 05 – RS. In: CAMPOS, H. Á; MARASCHIN, C; SILVEIRA, R. L .L (Org) Policentrismo, Rede Urbana e Aglomerações Urbanas no Rio Grande do Sul. 1ed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021. 327p. 16 x 23cm. Disponível em: https://pedroejoaoeditores.com.br/site/policentrismo-rede-urbana-e-aglomeracoes-urbanas-no-rio-grande-do-sul/

FARIA, R et al. Difusão da Covid-19 nas grandes estruturas territoriais do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S.L.], edição especial, p. 426-435, 21 mai. 2020a. DOI: https://doi.org/10.14393/Hygeia0054548

FARIA, R et al. Difusão espacial e interiorização da Covid-19 no Estado do Rio Grande do Sul. Casa de Geografia, Sobral/CE, v.22, n.2, p. 26 - 43. 2020b. DOI: https://doi.org/10.35701/rcgs.v22n2.686

IBGE. Regiões de influência das cidades. Rio de Janeiro, 2018.

IPEA. Caracterização e tendências da rede urbana do Brasil. 1. ed. Campinas: Unicamp. 1999. 1 v.

MOURA, R ; WERNECK, D. Z. Rede, hierarquia e região de influência das cidades: um foco sobre a Região Sul. Revista Paranaense Ipardes, Curitiba, n. 100, p. 27-57, jan./jun. 2001. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4813399 Acesso em: 20 nov. 2020.

OMS. Organização Pan-Americana da Saúde. Painel eletrônico. Atualizado em 05/04/2020. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875. Acesso em: 05 jul. 2020.

PICKENHAYN, J. A. El fenómeno urbano y la reespacialización de los complejos patógenos. R. RA´E GA, Curitiba, n. 15, p. 19-25, 2008. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/raega/article/view/14219 . Acesso em: 08 jan. 2021 DOI: https://doi.org/10.5380/raega.v15i0.14219

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Hucitec. 1996. 392 p.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Saúde Pública. Painel Coronavírus. Atualizado em: 20/04/2020. Disponível em: https://planejamento.rs.gov.br/comite-de-dados . Acesso em: 12 ago. 2020.

SOARES, P. R. Regiões Metropolitanas ou Aglomerações Urbanas? Contribuição para o debate no Rio Grande do Sul. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 323-342, set. 2015. Disponível em: https://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/view/3508 . Acesso em: 15 nov. 2020.

SOARES, P R. R.; SCHNEIDER, L. P. Notas sobre a desconcentração metropolitana no Rio Grande do Sul. Boletim Gaúcho de Geografia, v. 39, p. 113-28, 2012.

SOARES, P. R. R. Região Metropolitana ou Aglomeração Urbana? O debate no Rio Grande do Sul. E-metropolis: Revista eletrônica de Estudos Urbanos e Regionais, V. 4, n.2, 25-29, dez. 2013.

SPÓSITO, M. E. B; GUIMARÃES, R. B. Por que a circulação de pessoas tem peso na difusão da pandemia. Observatório das Metrópoles. Unesp, 2020. Disponível em: https://www2.unesp.br/portal#!/noticia/35626/por-que-a-circulacao-de-pessoas-tem-peso-na-difusao-da-pandemia . Acesso em: 15 nov. 2020.

VIEIRA, S. G; LIHTNOV, D. D. Pelotas e a sobrevivência do setor terciário: uma vocação histórica. In: SPÓSITO, M. E. B; FERNANDES, J.A., (Org.). Brasil e Portugal visto desde as cidades: as cidades vistas desde o seu centro. 1. ed. São Paulo: Cultura acadêmica. 2018. p. 345-370.