Uma Geografia para todas as saúdes: feminismo como direção para promoção da saúde

Conteúdo do artigo principal

Carolina Russo Simon
Bruna Fernandez Guimarães Borsoi

Resumo

Este trabalho é fruto de discussões e aprendizados de duas pesquisadoras e de suas análises geográficas feministas. Tivemos como objetivo, discutir como a ciência geográfica, principalmente na área da saúde, necessita utilizar de metodologias feministas para compreender as iniquidades sociais, bem como os determinantes de saúdes, pois é a partir do olhar dessas teorias, como o conceito de interseccionalidade, que será passível de compreender as formas de opressão-dominação existentes na sociedade, pois é o alicerce do sistema patriarcal-capitalista-racista que determina desigualdades nos sujeitos sociais. Entendendo que para promovermos saúdes necessitamos dos feminismos, como luta, movimento social e metodologia, para que seja possível atingir o objetivo na busca de uma sociedade mais igualitária. Para isso, foram utilizados relatos orais, entrevistas e grupos focais realizadas pelas autoras nos trabalhos de monografia e dissertação de mestrado; o que contribui para a análise da interseccionalidades existentes entre as diferenças e semelhanças nas produções acadêmicas em que uma Geografia Feminista para a Saúde pode oferecer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Simon, C., & Borsoi , B. . (2022). Uma Geografia para todas as saúdes: : feminismo como direção para promoção da saúde. Metodologias E Aprendizado, 5, 49–66. https://doi.org/10.21166/metapre.v5i.2644
Edição
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Carolina Russo Simon, Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Estadual Paulista

Doutoranda em Geografia, Mestra e Licenciada em Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente-SP.

Bruna Fernandez Guimarães Borsoi , Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Estadual Paulista

Mestranda em Geografia, Bacharel em Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente-SP.

Referências

ALMEIDA FILHO, Naomar de. O que é saúde? - Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2011. 160p.

BARCELLOS, Christovam; BUZAI, Gustavo D.; HANDSCHUMACHER, Pascal. Geografia e saúde: o que está em jogo? História, temas e desafios. Confins. Revue franco-brésilienne de géographie/Revista franco-brasileira de geografia, n. 37, 2018. https://doi.org/10.4000/confins.14954.

BORSOI, Bruna F. G. Cirurgias plásticas e o espaço heteronormativo: as (trans)formações do corpo jovem em Presidente Prudente- SP. [Monografia]. Geografia- FCT Unesp, Presidente Prudente. 2018, 306p.

BUSS, Paulo Marchiori. Uma introdução ao conceito de promoção da saúde. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. (Org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões e tendências. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2003, p. 19-42.

ARRUZZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto.São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos feministas, v. 10, n. 1, p. 171, 2002. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011.

CZERESNIA, Dina; RIBEIRO, Adriana Maria. O conceito de espaço em epidemiologia: uma interpretação histórica e epistemológica. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 16, n. 3, p. 595-605, Sept. 2000. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000300002

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUTRA, D. GEOGRAFIA DA SAÚDE NO BRASIL: ARCABOUÇO TÉORICO-EPISTEMOLÓGICOS, TEMÁTICAS E DESAFIOS. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado em Geografia). PPGGEO, UFPR, Curitiba. 2011, 191p. http://hdl.handle.net/1884/26567

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa. Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Rio de Janeiro: Editora Elefante, 2017.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 27ª. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GARCIA, Carla Cristina. Breve história do Feminismo- São Paulo: Claridade, 2015. 120p.

GUIMARÃES, Raul Borges. Dupla determinação geográfica da saúde: um olhar franco-brasileiro. IN__GURGEL, Helen; BELLE, Nayara (org.). Geografia e saúde: teoria e método na atualidade. Brasília: Universidade de Brasília, 2019. 170 p.

GUIMARÃES, Raul Borges. Saúde urbana: velho tema, novas questões. Terra livre, v. 2, n. 17, p. 155-170, 2015. Disponível em< http://www.agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/view/344 >

GUIMARÃES, Raul Borges; PICKENHAYN, Jorge Amancio; LIMA, Samuel do Carmo. Geografia e saúde sem fronteiras. Uberlândia: Assis, p. 417-425, 2014.

HOOKS, Bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019. 380p.

LIMA, Dartel Ferrari; MALACARNE, Vilmar; STRIEDER, Dulce Maria. O papel da escola na promoção da saúde - uma mediação necessária. EccoS Revista Científica, n. 28, p. 191-206, 2012. https://doi.org/10.5585/eccos.n28.3213.

MACEDO, Laura. C.; LAROCCA, Liliana. M.,; CHAVES, Maria. M. N; Mazza, Verônica, A. Análise do discurso: uma reflexão para pesquisar em saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, n. 12, p. 649-657, 2008. https://doi.org/10.1590/S1414-32832008000300015

MASSEY, Doreen B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MASSEY, Doreen. The geography of trade unions: Some issues. Transactions of the Institute of British Geographers, p. 95-98, 1994.

PLATERO Raquel (Lucas). Intersecciones: cuerpos y sexualidades en la encrucijada. Barcelona: Bellaterra, 2012.

RATTS, Alex et al. Geografia e diversidade: gênero, sexualidades, etnicidades e racialidades. Revista da ANPEGE, v. 12, n. 18, p. 229-244, 2016. https://doi.org/10.5418/RA2016.1218.0012

ROJAS, Luisa Basilia Iñiguez. Geografia e Saúde: o antigo, o novo e as dívidas. IN__GURGEL, Helen; BELLE, Nayara (org.). Geografia e saúde: teoria e método na atualidade. Brasília: Universidade de Brasília, 2019. 170 p.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Quatro Artes, 1969.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. O poder do macho. Editora Moderna, 1987.

SANTOS, Flávia de Oliveira; LIMA, Samuel do Carmo. Promoção da Saúde com intersetorialidade e mobilização social. Uberlândia (MG), Aline Editora, p. 44-45, 2017.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção, v. 4, 1996.

SILVA, Joseli Maria. Ausências e silêncios do discurso geográfico brasileiro: uma crítica feminista à geografia eurocêntrica. In: SILVA, Joseli Maria (org). Geografias subversivas: discursos sobre espaço, gênero e sexualidades, p. 25-54, 2009.

SILVA, Joseli Maria; ORNAT, Marcio Jose. Corpo como espaço: um desafio à imaginação geográfica. In: PIRES, Cláudia Zeferino, HEIDRICH, Álvaro Luiz e COSTA, Benhur Pinós da. Plurilocalidades do sujeito: representações e ações no território. Porto Alegre: Compasso Lugar-Cultura, 2016. p. 56-75.

SILVA, Maria das Graças S. N; SILVA, Joseli M. Interseccionalidades, gênero e sexualidades na análise espacial. Ponta Grossa: Toda Palavra, 2014.

SIMON, Carolina Russo. A Promoção da Saúde, Feminismo e Contraespaço: mulheres camponesas e suas lutas para se manterem vivas!. 2020. 400p. [Dissertação de Mestrado] - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologias- Programa de Pós-Graduação em Geografia. http://hdl.handle.net/11449/193184.

STOTZ, Eduardo Navarro; ARAUJO, José Wellington Gomes. Promoção da saúde e cultura política: a reconstrução do consenso. Saúde e sociedade, v. 13, p. 05-19, 2004. https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000200002.

TIBURI, Márcia. Feminismo em comum: para tadas, todes e todos.- 12ª ed. - Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019. 126p.

PETRONE, Taliria. Prefácio à edição brasileira. In: ARRUZZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto.São Paulo: Boitempo, p.11-22, 2019.

VALENTINE, Gill. Theorizing and researching intersectionality: a challenge for feminist geography. The Professional Geographer, v. 59, n. 1, p. 10-21, 2007. https://doi.org/10.1111/j.1467-9272.2007.00587.x