RESPOSTA DE HÍBRIDOS DE MILHO COM DIFERENTES NÍVEIS DE NITROGÊNIO NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DE RIO DO SUL - SC

Conteúdo do artigo principal

Letícia Gralick
Lucas Lunelli Eskelsen
Maria Luisa Farias de Oliveira
Oscar Emilio Ludtke Harthmann

Resumo

O milho (Zea mays) atualmente é uma cultura que se destaca na sua composição química nutritiva, é usado tanto na alimentação humana quanto animal por ser componente da ração, além de impulsionar a produção de diversos produtos agroindustriais. Com isso, tem grande importância econômica e social, sendo objeto de pesquisa e estudos em todo mundo. Apesar de sua produtividade estar aumentando com os avanços tecnológicos, o milho ainda se encontra em uma produtividade média baixa no Brasil. Portanto, o objetivo dessa pesquisa foi comparar a produtividade de diferentes híbridos de milho submetidos a diferentes doses de nitrogênio, indicando quais híbridos se adaptaram melhor às condições edafoclimáticas da região e em quais doses apresentaram maior produtividade. O estudo foi desenvolvido na área experimental do curso de agronomia na sede do Instituto Federal Catarinense, localizado na Serra Canoas, em Rio do Sul, Santa Catarina. Altitude de 655 m, clima subtropical e solo cambissolo. O solo foi preparado conforme manejo convencional, com uma aração e duas gradagens, a semeadura foi realizada em faixas (Figura 1). Os híbridos utilizados foram: AG 9035; AG 9021; AG 9070; AG 9025, cada híbrido foi submetido aos respectivos níveis de nitrogênio: 100% ROLAS e 150% ROLAS, com o total de 8 faixas de plantio. Foram avaliados os componentes de grãos de cinco espigas de cada tratamento no laboratório (Figura 1), contando o número de grãos por fileira, número de fileiras, total de grãos por espiga, peso de grãos por espiga e determinação do teor de umidade dos grãos, no campo foi realizada a contagem do número de plantas e espigas em linha de três metros. Os resultados demonstram que todos os híbridos se mostraram mais produtivos com o nível de nitrogênio a 150%, com diferenças no peso de grãos por espiga variando de 3 a 32%. Em relação a estimativa de rendimento em kg/ha, considerando a população de plantas e o peso médio de grãos, o híbrido AG 9025 foi o destaque com aproximadamente 266 sacas por hectare, quando adubado com 150% da dose de nitrogênio. Conclui-se que a escolha do híbrido é um fator ligado diretamente a produtividade, considerando sua adaptabilidade a fatores externos como a umidade, temperatura e clima de determinada região, além da escolha correta do híbrido, os níveis de nitrogênio se mostraram fundamentais ao desenvolvimento da planta, considerando sua importância significativa de produtividade.

Detalhes do artigo

Como Citar
Gralick , L., Eskelsen , L. L., Oliveira, M. L. F. de, & Harthmann, O. E. L. (2024). RESPOSTA DE HÍBRIDOS DE MILHO COM DIFERENTES NÍVEIS DE NITROGÊNIO NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DE RIO DO SUL - SC. Anais Da Feira Do Conhecimento Tecnológico E Científico, 1(24). Recuperado de https://publicacoes.ifc.edu.br/index.php/fetec/article/view/5161
Seção
Ciências Agrárias - Agronomia