A docência em matemática num contexto de ensino remoto

Autores

  • Adriana Brückmann da Silva Instituto Federal Catarinense
  • Adonis Rogério Fracaro Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.21166/ctp.v3i4.2764

Palavras-chave:

Pandemia, Ensino, Matemática, Prática pedagógica

Resumo

O presente artigo tem por objetivo relatar os dados obtidos de uma pesquisa, proveniente da aplicação de um questionário, para verificar como foi desenvolvido o trabalho dos professores de Matemática ao longo do ano letivo de 2020 num contexto de ensino remoto, em virtude da pandemia da COVID-19. Os questionários foram aplicados de forma online, encaminhados por meio do Whatsapp e outras redes sociais, a professores atuantes na Educação Básica, em redes públicas e privadas de ensino. Por meio desta pesquisa, objetivou-se evidenciar a forma como os professores (re)organizaram suas aulas, com o intuito de dar continuidade ao ano letivo. Também buscou-se analisar quais foram os impactos do ensino remoto no processo de aprendizagem dos alunos, tendo em vista as diferentes metodologias de ensino utilizadas pelos professores em suas práticas pedagógicas. E por fim, são apresentadas as dificuldades enfrentadas por estes docentes durante o ensino remoto além das reflexões apontadas por eles sobre as aprendizagens adquiridas ao longo de todo o caminho percorrido em 2020.

Referências

BICUDO, M. A. V. Pesquisa Qualitativa e Pesquisa Qualitativa segundo a abordagem fenomenológica. In: BORBA, M. de C. Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 99 – 112.

BIERWAGEN, G. S. Formação continuada docente em tempos de pandemia da Covid 19: os media e as tecnologias de informação e comunicação. In: Anais 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2020, Salvador/BA – Evento virtual – Universidade Federal da Bahia (UFBA): 1º a 10 de setembro de 2020. Disponível em: < https://portalintercom.org.br/anais/nacional2020/resumos/R15-1315-1.pdf>. Acesso em: 27 de janeiro de 2022.

BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

COSTA, A. E. R; NASCIMENTO, A. W. R. Os desafios do ensino remoto em tempos de pandemia no Brasil. Anais VII Congresso Nacional de Educação – CONEDU – Educação como (re)Existência: mudanças, conscientização e conhecimento. Maceió – AL; 2020.

DIAS, G. A; CAVALCANTI, R. A. As tecnologias da informação e suas implicações para a educação escolar: uma conexão em sala de aula. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, Cajazeiras, v. 1, p. 160-167, set/dez 2016.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 47ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

JUNIOR, C. R. S. Sala de aula invertida: por onde começar?. Instituto Federal de Goiás. Pró-Reitoria de Ensino; Diretoria de Educação a Distância; novembro de 2020.

LEMOS, A. A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo, Annablume, 2013.

LIBÂNEO, J. C. Os métodos de ensino. São Paulo, Cortez, 1994. p. 149 – 176.

LOCKMANN, K; SARAIVA, K; TRAVERSINI, C. A educação em tempos de COVID-19: ensino remoto e exaustão docente. Práxis Educativa, v. 15, p. 1-24, 2020.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2005.

MARCELO, C. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Ciências da Educação, n.8, 2009, p.7-22.

MIGUEL, L. O. S; BRAGA, E. R. M. A importância da família no processo de aprendizagem, visando ao sucesso escolar. Artigo apresentado ao Programa de Desenvolvimento Educacional – 2008/2009 – Universidade Estadual de Maringá – UEM: Paraná – 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; CONSELHO NACIONAL DA EDUCAÇÃO (CNE). Parecer 5/2020: Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em: 27 de janeiro de 2022.

MIRANDA, E. A influência da relação professor-aluno para o processo de ensino aprendizagem no contexto afetividade. In: 8º Encontro de Iniciação Científica e 8ª Mostra de Pós-Graduação. FAFIUV, 2008.

MONTEIRO, R. L. S. G; SANTOS, D. S. A utilização da ferramenta Google Forms como instrumento de avaliação do ensino na Escola Superior de Guerra. Revista Carioca de Ciência, Tecnologia e Educação, v. 4 n. 2, 2019.

MORAES, C. F. A análise textual discursiva: uma possibilidade de potencializar a escrita e a pesquisa. In: STECANELA, N (org.). Diálogos com a educação: a escolha do método e a identidade do pesquisador. Caxias do Sul: Educs, 2012. 198 p. – Diálogos com a Educação, v.2.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Artigo publicado na revista Ciência e Educação, v. 9, n. 2, p. 191 - 211, 2003.

MORAES, R; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Revista Ciência e Educação, v. 12, n. 1, p. 117 – 128, 2006.

PONTE, J. P; BROCARDO, J; OLIVEIRA, H. Investigações Matemáticas na sala de aula. 3ª ed. Belo Horizonte: Atêntica Editora, 2013. Coleção Tendências em Educação Matemática.

SANTOS, M. L; PERIN, C. S. B. A importância do planejamento de ensino para o bom desempenho do professor em sala de aula. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. v. 1. Governo do Estado do Paraná; Secretaria de Educação. 2013.

SEBALCH, S. et al. Matemática e Didática. Petrópolis: Vozes, 2010.

STRAUSS, A. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed – 2008.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar / Antoni Zabala; tradução Ernani F. da F. Rosa – Porto Alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

2022-07-09

Edição

Seção

Artigos Científicos