A importância da resolução de problemas no ensino significativo da matemática: perspectivas discentes

Autores

  • Tauane Bruna Gritti Instituto Federal Catarinense
  • Deise Nivia Reisdoefer Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.21166/ctp.v3i4.2761

Palavras-chave:

Resolução de Problemas., Ensino de Matemática., Aprendizagem com significado.

Resumo

Esta pesquisa foi desenvolvida no curso de Especialização em Educação Matemática do Instituto Federal Catarinense – Campus Concórdia, no período de junho a setembro de 2021. A problemática que impulsionou a investigação é: como a Resolução de Problemas pode promover o ensino significativo de Matemática para alunos de sextos anos? Os sujeitos desta pesquisa foram alunos de sexto ano do Ensino Fundamental e a pesquisadora, docente da turma. A justificativa baseia-se em dois argumentos principais: mesmo que a Resolução de Problemas não seja um tema novo no âmbito do ensino da Matemática, muitas vezes é confundida com resolução de exercícios; e além da experiência da pesquisadora em turmas de sextos anos, em que grande parte dos alunos apresentam dificuldade na Resolução de Problemas. No que diz respeito à metodologia, caracteriza-se como uma pesquisa de cunho qualitativo com abordagem narrativa, tendo como textos de campo um questionário aberto composto de duas questões, os registros das atividades desenvolvidas pelos sujeitos durante a pesquisa e o diário de bordo. Para a composição dos textos de pesquisa, a escrita das análises deu-se por meio de cartas (CLANDININ; CONNELLY, 2015). Em relação aos resultados, foi possível verificar que a Resolução de Problemas promoveu o ensino significativo da Matemática, por meio do desenvolvimento do raciocínio, da autoconfiança e da independência desenvolvida nos sujeitos.

Biografia do Autor

Deise Nivia Reisdoefer, Instituto Federal Catarinense

Doutora em Educação em Ciências e Matemática.

Docente do Insitutto Federal Catarinense.

Referências

ALLEVATO, Norma Suely Gomes; ONUCHIC, Lourdes de La Rosa. Ensino-Aprendizagem-Avaliação de Matemática: por que através da resolução de problemas?. In: ONUCHIC, Lourdes de La Rosa; ALLEVATO, Norma Suely Gomes; NOGUTI, Fabiane Cristina Höpner; JUSTULIN, Andresa Maria (org.). Resolução de Problemas: teoria e prática. Jundiaí: Paco Editorial, 2014. p. 35-52.

BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática 3º e 4º ciclos. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria Executiva, Secretaria de Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília: MEC, 2018.

CLADININ, D. Jean; CONNELLY, F. Michael. Pesquisa Narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. 2. ed. Uberlândia: Edufu, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

REISDOEFER, Deise Nivia; LIMA, Valderez Marina do Rosário. A pesquisa narrativa como possibilidade metodológica no âmbito da formação docente. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 21, n. 69, p. 795-820, jun. 2021.

RIBEIRO, Alessandro Pinto; GESSINGER, Rosana Maria. Instrumentos de coletas de dados em pesquisas: questionamentos e reflexões. In: Caminhos da pesquisa qualitativa no campo da educação em ciências: pressupostos, abordagens e possibilidades. Porto Alegre: Edipucrs, 2018. Cap. 4. p. 93-109. Disponível em: http://www.pucrs.br/edipucrs/. Acesso em: 04 jun. 2021.

POLYA, George. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático. Rio de Janeiro: Interciência, 1995.

POLYA, George. (2003). Como resolver problemas (Tradução do original inglês de 1945). Lisboa: Gradiva.

PRADO, Guilherme do Val Toledo; SOLIGO, Rosaura (org.). Porque escrever é fazer história: revelações, subversões, superações. Campinas: Alínea, 2007.

SOLIGO, R. A. Uma forma narrativa privilegiada na pesquisa: a carta. In BRAGANÇA, Inês Ferreira de Souza; NACAYAMA, Bárbara Cristina Moreira Sicardi; TINTI, Douglas da Silva (Org).Narrativas, Formação e Trabalho Docente. Curitiba:CVR, 2018.

Downloads

Publicado

2022-07-09

Edição

Seção

Artigos Científicos