Dificuldade de ensino e aprendizagem na matemática: os jogos como alternativa para o entendimento do aluno que apresenta o transtorno da discalculia

Autores

  • Elisabele Maria de Oliveira Instituto Federal Catarinense
  • Lindomar Duarte de Souza Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.21166/ctp.v3i4.2753

Palavras-chave:

Transtorno de Aprendizagem, Atividades Pedagógicas Específicas, Aluno com Discalculia

Resumo

A discalculia é um transtorno específico de aprendizagem (TEA), o qual afeta a capacidade de se compreender as operações matemáticas, e acomete muitos alunos em fase de aprendizado. Por muito tempo a discalculia foi tratada apenas como uma dificuldade ou como pouca dedicação do aluno nos estudos, porém, já se sabe que tem origem biológica e seu diagnóstico ocorre a partir de avaliações e testes específicos de equipe multidisciplinar, composta de pediatra, neuropsicóloga, psicopedagogo, psiquiatra e fonoaudiólogo. Dentre as dificuldades apresentadas pelos indivíduos que são acometidos pela discalculia, as mais frequentes são: troca de sinais em operações e símbolos matemáticos invertidos; dificuldades na ordem numérica; dificuldade de transformar o abstrato em concreto; montagem errada de operações; dificuldade de seguir muitas etapas em uma determinada resolução; e não compreender com clareza problemas apenas falados. Estas percepções são observadas pelo professor, que poderá permitir que o aluno acesse materiais de apoio específicos para as aulas de matemática, bem como, avaliações adaptadas e o uso de jogos para estabelecer normas e critérios úteis na matemática. O presente trabalho pretende estudar as características sobre a discalculia, contribuir para a identificação de alunos com este transtorno e apresentar jogos que auxiliem o professor na relação ensino e aprendizagem da matemática. Para tanto, foi utilizada uma abordagem qualitativa de caráter bibliográfico, de natureza básica e com objetivo exploratório, de modo a permitir o entendimento sobre o tema abordado.

Referências

BERNARDI, Jussara. Discalculia: O que é? Como intervir?. Jundiaí: Paco Editora, 2014.

CAMPOS, Ana Maria Antunes de. Jogos matemáticos: uma nova perspectiva para discalculia. 2. Ed., Rio de Janeiro: Wak Editora, 2019.

COSENZA, Ramon M.; GUERRA, Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Leonor B. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

KOSC, Ladislav. Developmental dyscalculia. Journal of Learning Disabilities, v. 7, p. 164-177, 1974.

MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3 .ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

SANTOS, Flávia Helena dos. Discalculia do desenvolvimento. São Paulo: Pearson Clinical Brasil, 2017.

SCHWARTZMAN, Simon. Pesquisa acadêmica, pesquisa básica e pesquisa aplicada em duas comunidades cientificas. 1979. Disponível em:<http://www.schwartzman.org.br/simon/acad_ap.htm>. Acesso em set 2021.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

Downloads

Publicado

2022-07-09

Edição

Seção

Artigos Científicos