A prática do professor e a aprendizagem dos alunos sobre o ensino de frações: Um estudo de caso no oitavo ano de uma escola estadual de Seara/SC

Autores

  • Luciana Maria Vani Instituto Federal Catarinense
  • Lindomar Duarte de Souza Instituto Federal Catarinense
  • Andressa Trainotti Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.21166/ctp.v3i4.2749

Palavras-chave:

Fração, Educação Matemática, Ensino e Aprendizagem de Frações

Resumo

Neste artigo investiga-se as dificuldades dos alunos do 8º ano do Ensino Fundamental de uma escola estadual do município de Seara/SC na aprendizagem de fração. São muitas as dificuldades do estudante no aprendizado do conteúdo de fração e isto ocorre devido a diferentes fatores como traumas, pensamentos de que a Matemática é algo complexo, “bicho de sete cabeças”, impossível de se entender até as questões metodológicas de ensino do próprio professor. As dificuldades na aprendizagem referem-se ao desenvolvimento cognitivo, construção e noções básicas da matemática básica, princípios numéricos, entraves na resolução e compreensão do problema, falta de conhecimento dos conceitos principais, prática metodológica não facilitadora à aprendizagem do conteúdo, aversão à disciplina de matemática etc. Os dados foram coletados por meio da aplicação de questionário online e exercício precedido de uma análise qualitativa. Constatamos que as principais dificuldades dos alunos em relação a fração estão nos conteúdos sobre conceitos fracionários, aversão à aprendizagem na disciplina de Matemática, leitura e interpretação. Dessa maneira, se faz necessário que haja uma maior atenção quanto ao acompanhamento da compreensão e aprendizagem dos alunos no conteúdo de fração, visando, sempre, uma forma de contribuir significativamente à superação das dificuldades encontradas e um ensino baseado numa metodologia facilitadora à compreensão significativa.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010

BERTONI, N.E. (2008). A construção do número fracionário. In: Boletim de Educação Matemática, ano 21, n.31. Rio Claro: UNESP. (No prelo)

BOLOGNANI, Ana Carla de A. Ensino e aprendizagem de frações mediados pela tecnologia: uma análise à luz da teoria dos campos conceituais de Vergnaud. Itajubá, 2015. Disponível em: <https://repositorio.unifei.edu.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/112/dissertacao_bolognani_2015.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 26/02/2022

DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In:

DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 15-41.

GOODE, W. J.; HATT, P. Métodos em Pesquisa Social. São Paulo. Companhia Editora Nacional, 1979

JÚNIOR S.L. M, BARBOZA, P.L. Percursos na prática pedagógica de matemática. Revemat e ISSN 1981-1322, v.08, nº1, p. 199-215, Florianópolis (SC), 2013.

LINS, Rômulo Campos. Matemática, monstros, significados e educação matemática. In: BICUDO, Maria A. V. BORBA, Marcelo de C. (Orgs.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004. p. 92 – 120.

LOPES, Antonio José. O que nossos Alunos Podem Estar Deixando de Aprender sobre Frações, quando Tentamos lhes Ensinar Frações. Bolema, Rio Claro – São Paulo. N 31. 2008, p. 1 – 22. Disponível em: < https://www.ime.usp.br/~dpdias/2017/MAT1514%20fracoes.pdf>. Acesso em: 21/12/2021.

MAGINA, S.; BEZERRA, F. B.; SPINILLO, A. Como desenvolver a compreensão da criança sobre fração? Uma experiência de ensino. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 90, n. 225, p. 411-432, maio/ago, 2009.

MARCONI. M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In:

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2000.

MOZZATO, A. R; GRZYBOVSKI, D. Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 731-747, jul./ago. 2011.

NEVES. R de A., DAMIANI, M.F. Vigotsky e as teorias da aprendizagem. Unirevista - vol.1,nº 2, RS, 2006.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: Repensando a Escola na Era da Informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SANTOS, V de M. A relação e as dificuldades dos alunos com a Matemática: um objeto de investigação. Zetetike, v.17 - número temático, CENPEM-FE/UNICAMP, 2009.

SILVA, E.V. R, FREITAS, P. M. - O ensino das frações. Professores em formação - ISEC/ISED, nº2, 1º semestre de 2011.

VALERA, Alcir Rojas. Uso social e escolar dos números racionais: representação fracionária e decimal. Marília: 2003, 164p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília

XAVIER, O.S & FERNANDES, R. C. A. A aula em espaços não convencionais. In: VEOGA, I. P. A. Aula: Gênese, Dimensões, Princípios e Práticas. Campinas: Papirus Editora. 2008

WITT, Caroline. O ensino das frações por meio de jogos e aplicativos digitais. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2018. Disponível em: <http://riut.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/19910/1/CT_TCTE_I_2017_9.pdf. Acesso em: 21/12/2021.

Downloads

Publicado

2022-07-09

Edição

Seção

Artigos Científicos