Identificação e mapeamento de unidades naturais de ensino e aprendizagem no IFC -Araquari

Autores

  • Luiz Antônio da Rocha Andrade Instituto Federal Catarinense
  • Flávio Alberto da Silveira Instituto Federal Catarinense
  • Heder Luciano Lyra Rosa Instituto Federal Catarinense
  • Nelson Jorge da Silva Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.21166/ctp.v2i2.2063

Palavras-chave:

Educação, Meio Ambiente, Desenvolvimento sustentável

Resumo

Este artigo apresenta os resultados da pesquisa de identificação de unidades naturais de ensino e aprendizagem no Instituto Federal Catarinense – campus Araquari. Tal como as salas de aulas e os laboratórios, as unidades naturais são patrimônios naturais constituídos por elementos bióticos e abióticos com potencial didático. Foram consideradas os fragmentos de florestas, os cursos naturais d'água, os afloramentos de rochas, o solo e as intersecções do campus sobre o ecossistema Baia da Babitonga. A identificação delas vem suprir a necessidade com práticas de ensino de biologia, de legislação ambiental, do espaço e paisagem em geografia, de agropecuária e na formação de acervo natural in loco de elementos da geodiversidade e da biodiversidade, além de estímulo à conscientização ecológica. Assim definidas, elas podem ser estudadas por meio de trilhas ecológicas e com fornecimento de amostras para práticas em laboratório e em atividades integradoras. Soma-se ao valor científico a possibilidade de estudo do potencial econômico de prática extrativista de baixo impacto. O levantamento foi realizado a partir da interpretação das imagens de satélite e de imagens registradas durante as incursões de campo. A identificação das espécies da flora e fauna foram realizadas a partir do cruzamento de dados da pesquisa bibliográfica, de banco de dados digitais e das imagens capturadas. Os resultados compõem uma amostragem inicial do potencial ecológico e didático dessas unidades para o processo de ensino e aprendizagem do campus, além de contribuir para a responsabilidade institucional no desenvolvimento de tecnologias sustentáveis.

 

Biografia do Autor

Luiz Antônio da Rocha Andrade, Instituto Federal Catarinense

Professor de Geografia do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do IFC-Araquari.

Flávio Alberto da Silveira, Instituto Federal Catarinense

Formando do curso Técnico em Agropecuário Integrado ao Ensino Médio do IFC-Araquari, turma 2020.

Heder Luciano Lyra Rosa, Instituto Federal Catarinense

Professor de biologia do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do IFC-Araquari.

Nelson Jorge da Silva, Instituto Federal Catarinense

Professor de biologia do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do IFC-Araquari.

Referências

BEGNINI, R. M.. O Jerivá - Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman (Arecaceae): fenologia e interações com a fauna no parque municipal da lagoa do peri, Florianópolis, SC. 2008. 103 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Biológicas, Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/132887/20081-RomualdoBegnini.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 05 fev. 2021.

BRASIL - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Convenção sobre Diversidade Biológica. Brasília-DF: Ministério do Meio Ambiente, 2000. 30 p. (Biodiversidade). Cópia do Decreto Legislativo no. 2, de 5 de junho de 1992. Disponível em: https://www.gov.br/mma/pt-br/textoconvenoportugus.pdf. Acesso em: 21 jan. 2020.

BRASIL. Portaria do Ministério do Meio Ambiente nº443 de 17 de dezembro de 2014. Reconhece como espécies

ameaçadas de extinção aquelas constantes da Lista Oficial. Disponível em: <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/static/pdf/portaria_mma_443_2014.pdf>. Acesso em: 15 set. 2020.

CARDIM, R.. Legado das Águas Reserva Votorantim. In: FLORES,Thiago B. (et al.) (Org.) Guia ilustrado para identificação das plantas da Mata Atlântica: Legado das Águas: reserva Votorantim. São Paulo: Oficina de Textos, 2015. p.9-10.

CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A (Santa Catarina). GEO CONSULTORES ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE LTDA. 2017. Estudo de Impacto Ambiental: LINHA DE DISTRIBUIÇÃO EM 138 kV JOINVILLE SC – SÃO FRANCISCO DO SUL (TRECHO II), Santa Catarina, ano 2017, 2013. Disponível em: https://bid.celesc.com.br/arquivos/estudos-ambientais/ld/5.%20LD_138kV_JVLSFS-EIA.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. Resolução nº 261, de 30 de junho de 1999. Dispõe sobre parâmetros básicos para definição de vegetação primária e dos estágios sucessionais secundários da vegetação de Restinga na Mata Atlântica e dá outras providências. Disponível em: https://www.diariodasleis.com.br/legislacao/federal/213015-estugios-sucessionais-de-vegetauuo-de-restinga-para-o-estado-de-santa-catarina-aprovar-como-parumetro-busico-para-anulise-dos-estugios-sucessionais-de-vegetauuo-de-restinga-par.html. Acesso em: 8 fev. 2021.

COUTINHO, C. P. Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas: teoria e prática. 2. ed. Coimbra - PT: Almedina S.A, 2013. 421 p. ISBN 9789724051376.

CRESTANA, S. et al. A ciência das plantas daninhas na sustentabilidade dos sistemas agrícolas. In: XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DA CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS E XVIII CONGRESSO DE LA ASSOCIACÓN LATINO- AMERICANA DE MAZELAS, 26., 2008, Ouro Preto -Mg. Palestra. Sete Lagoas: Sbcpd Embrapa Milho e Sorgo, 2008. p. 12-23

FARIA, P. E. P. et al. Fundamentos do Planejamento de Trilhas. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Icmbio, 2020. 36 p. (Cadernos de Visitação). Traduzido e adaptado livremente do original: Trail Fundamentals and Trail Management Objectives - 2016 United States Department of Agriculture | ForestService.

GIEHL, E L H. (Santa Catarina). Universidade Federal de Santa Catarina (org.). Flora Digital do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 2020. Disponível em: https://floradigital.ufsc.br/index.php. Acesso em: 01 nov. 2020.

Google Earth Pro. GOOGLE.Google Earth website.http://earth.google.com/2020.

HORN FILHO, N. O. et al.; (ed.). Roteiro Geológico na Planicie Costeira de Santa Catarina, Brasil. Florianópolis: Departamento de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Geografia A, Universidade Federal de Santa Catarina, Edições do Bosque/Centro de Filoso A e Ciências Humanas/Núcleo de Publicação de Periódicos, 2017. 146 p. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/177465. Acesso em: 01 out. 2020.

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE (Blumenau - SC). Estatuto do Instituto Federal Catarinense. 2018. Disponível em: https://ifc.edu.br/wp-content/uploads/2019/02/Estatuto-do-Instituto-Federal-Catarinense-1.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE (Araquari - SC). Histórico institucional. 2020. Campus Araquari. Disponível em: https://araquari.ifc.edu.br/historico/. Acesso em: 01 abr. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (Brasil). População no último censo: Araquari -SC. 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/araquari/panorama. Acesso em: 01 out. 2020.

JORGE, M. do C. O.; GUERRA, A. J. T.. Geodiversidade, Geoturismo e Geoconservação: conceitos, teorias e métodos. Espaço Aberto, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 151-174, 02 jun. 2016. Semestral. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/EspacoAberto/issue/view/448. Acesso em: 20 set. 2019.

LICARDO, A.; GUIMARÃES, G. B. (Org.). Geodiversidade na educação. Ponta Grossa: Estúdio Texto, 2014.

LIMA, M. M. P. et al. EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DE TRILHA INTERPRETATIVA EM ÁREA PROTEGIDA NO MUNICÍPIO DE QUIXADÁ-CE. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DA DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO, 1., 2016, Campina Grande -Pb. Anais [...].Campina Grande-PB: Realize, 2016. p. 1-13. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/editora/anais/conidis/2016/TRABALHO_EV064_MD1_SA7_ID898_30082016114101.pdf. Acesso em: 01 out. 2020

NAÇÕES UNIDAS BRASIL (Brasil). Objetivos de desenvolvimento sustentável. 2021. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/sdgs. Acesso em: 20 mar. 2021.

SILVA, K. F. M. da. Ecologia de uma população de tatu-galinha (dasypus septemcinctus) no cerrado do Brasil Central. 2006. 43 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Ecologia, Ecologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2006. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/2177. Acesso em: 29 mar. 2021

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2005. 640 p. il.

STAKE, R.E. Pesquisa Qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011. 263 p. ISBN 978-85-63899-33-0.

VIANA, Virgìlio M.; PINHEIRO, Leandro A. F. V.. ConservaÁ„o da biodiversidadeem fragmentos florestais. Série Técnica Ipef, São Paulo, v. 12, n. 32, p. 25-42, 01 dez. 1998. Disponível em: https://www.ipef.br/publicacoes/stecnica/nr32.aspx. Acesso em: 21 jan. 2020.

VOOS, C. H.; SILVA, L. E. de C. A BMW em Araquari/SC e o planejamento de ocasião: o estado como agenciador da flexibilização urbana. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, [S.L.]Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 45-62, 30 nov. 2014. Mensal. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais (RBEUR). http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529. Disponível em: https://rbeur.anpur.org.br/rbeur/article/view/4790. Acesso em: 01 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-24

Edição

Seção

Artigos Científicos