PRINCIPAIS PARASITOSES GASTROINTESTINAIS EM BOVINOS PROVENIENTES DE PROPRIEDADES LEITEIRAS DE MUNICÍPIOS DO ALTO URUGUAI, SANTA CATARINA

Autores

  • Neuber Lucca Instituto Federal Catarinense
  • Fernanda Stedille Instituto Federal Catarinense
  • Claiton Schwertz Instituto Federal Catarinense
  • Luan Henker Instituto Federal Catarinense
  • Matheus Gabriel Instituto Federal Catarinense
  • Ricardo Mendes Instituto Federal Catarinense
  • Felipe Pappen Instituto Federal Catarinense
  • Liana Rosa Instituto Federal Catarinense

Resumo

A importância que a produção de leite adquiriu no setor agrícola brasileiro é incontestável. No estado de Santa Catarina destaca-se a região Oeste, que contribui com 72,6% do total de leite produzido. A atividade está mais presente em pequenas propriedades, que por vezes são carentes de auxílio técnico especializado, o que acarreta em práticas de manejo inadequadas e prejuízos à produção. Em ruminantes, as doenças parasitárias são responsabilizadas por perdas econômicas, redução no ganho de peso, baixa fertilidade e custos com controle. O objetivo desse trabalho foi estabelecer um cenário completo referente às verminoses gastrointestinais em bovinos leiteiros do Alto Uruguai Catarinense. Foram visitadas individualmente 33 propriedades leiteiras, nas quais aplicou-se um questionário aos produtores e coletou-se amostras de fezes de 13 bovinos por propriedade. Os dados obtidos através do questionário foram tabelados e avaliados através do programa SPSS 15.0. As amostras de fezes foram avaliadas através das técnicas de Gordon & Whitlock, para nematoides e cestódeos, e Dennis, Stone & Swanson modificada, para trematódeos. Posteriormente, as amostras positivas na primeira técnica foram agrupadas por propriedade e submetidas à coprocultura. 84,85% das propriedades foram positivas para helmintos gastrointestinais e a coprocultura apontou como parasitos mais prevalentes: Haemonchus spp. em 45,45% das propriedades e Trichostrongylus spp. em 48,48% das propriedades. Na avaliação da técnica de sedimentação para trematódeos, 100% das propriedades foram positivas para Eurytrema sp. e 30,30% para Fasciola hepatica. Concluiu-se a existência de grande variedade de parasitos coabitando em uma mesma propriedade e por vezes em um mesmo animal, tornando necessária a utilização de diferentes medidas de controle para cada tipo de parasito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRUNSDSON, R.V. Trichostrongyle worm infection in cattle: ostertagiasis - effect of a field outbreak on production with a review of disease syndromes, problems of diagnosis on treatment. New Zealand Veterinary Journal, Palmerston North, v.16, n. 12, p. 176-187, 1968.

CARDOSO, S.B. et al. 1979. Levantamento helmintológico em bovinos leiteiros de Fortaleza, Ceará. Fortaleza. Faculdade de veterinária do Ceará. 4p.

CEZAR, A.S., VOGEL, F.S.F., SANGIONI, L.A. Principais gêneros de nematódeos gastrintestinais em bovinos da região centro do Rio Grande do Sul, Brasil. Santa Maria: UFSM. 2009.

FREITAS, M.G. Helmintologia Veterinária. Belo Horizonte: Rabelo & Brasil, 1976. 396p.

GORDON, H.M.C.L., WHITLOCK, H.V. A new technique for counting nematode eggs in sheep faeces. Journal of Commonwealth Science Industry Organization, v.12, n. 1, p. 50-52, 1939.

ILHA, M.R.S., Loretti A.P., Reis A.C.F. 2005. Wasting and mortality in beef cattle parasitized by Euritrema coelomaticum in the state of Paraná, southern Brazil. Vet Parasitol. 133: 49-60.

LIMA, M. Helmintiases gastrintestinais em bovinos de raça leiteira. Rio de Janeiro. UFRRJ. Tese de Mestrado. 1981.

OLIVEIRA, J.C.P., ALVES, S.R.S. (Ed.) Sistemas de criação de bovinos de bovinos de leite para a região Sudoeste do Rio Grande do Sul, Bagé: Embrapa Pecuária Sul, 2003. 82 p. ( Embrapa Pecuária Sul. Sistemas de produção, 3).

RAMOS, C.I. 1983. Epidemiologia das helmintoses gastrointestinais de bovinos de corte no planalto catarinense. Dinâmica populacional de Cooperia spp. e Trichostrongylus spp. Porto Alegre: UFRGS. Teses de Mestrado. 104p.

RUAS J.L., Berne M.E.A. 2001. Parasitoses por nematódeos gastrintestinais em bovinos e ovinos. p.158-162. In: RIET-CORREA F., SHILD A.L., MÉNDEZ, M.C. Doenças de Ruminantes e Equinos. Vol.2. 2ª ed. Varela, São Paulo. 573p.

RIET-CORREA F., SHILD A.L., MÉNDEZ, M.C. Doenças de Ruminantes e Equinos. Vol.2. 2ª ed. Varela, São Paulo. 2001, 573p.

TODD, A.C. et al. Milk production increase following treatment of subclinical parasitism in Wisconsin dairy cattle. New Zealand Veterinary Journal, Palmerston North, v. 23, n. 4, p. 59-62, 1975.

TODD, A.C. et al. Milk production by dairy cattle in Pennsylvania and North Carolina after deworming (treatment of freshening and systematically over the first three months of lactation). Veterinary Medicine/ SAC, Edwardsville, v. 73, n. 5, p. 614-619, 1978.

TRAVASSOS, L. Introdução ao estudo da Helmintologia. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de Biologia, 1950. 173p.

TRINDADE, A.M.S., SILVA, R.W.S.M. 2008. Sistemas de criação de bovinos de leite para a região sudoeste do Rio Grande do Sul.

VIEIRA, L.S. 1999. Epidemiologia e controle dos nematódeos gastrintestinais dos caprinos. Anais Congresso Pernambucano de Medicina Veterinária. Sociedade Pernambucana de Medicina Veterinária, Recife, p.123-128.

Downloads

Publicado

11-07-2015

Como Citar

LUCCA, N.; STEDILLE, F.; SCHWERTZ, C.; HENKER, L.; GABRIEL, M.; MENDES, R.; PAPPEN, F.; ROSA, L. PRINCIPAIS PARASITOSES GASTROINTESTINAIS EM BOVINOS PROVENIENTES DE PROPRIEDADES LEITEIRAS DE MUNICÍPIOS DO ALTO URUGUAI, SANTA CATARINA. Extensão Tecnológica: Revista de Extensão do Instituto Federal Catarinense, Blumenau, n. 3, p. 63–68, 2015. Disponível em: https://publicacoes.ifc.edu.br/index.php/RevExt/article/view/97. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos