Crianças e adolescentes em ação no LIPLEI:

uma experiência maker com oficinas remotas no cenário da pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21166/rext.v8i16.2144

Palavras-chave:

Extensão, Cultura maker, Oficinas remotas , Crianças, Teens

Resumo

Com o objetivo de socializar experiências extensionistas no contexto remoto, este artigo se propõe a compartilhar o desenvolvimento de oficinas para crianças e adolescentes, realizadas pelo Laboratório de Estudos, Pesquisa e Extensão sobre Infâncias e Projetos Lúdico-Educacionais Inclusivos (LIPLEI). Esse projeto é vinculado ao Grupo de Estudos e Pesquisa Interdisciplinar em Formação Humana, Representações e Identidades (GEPIFHRI), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e desenvolve projetos de pesquisa, extensão e formação de professores(as). No que concerne à extensão, o LIPLEI se apresenta como um laboratório de observação e experimentação que desperta o interesse tanto no aprofundamento dos estudos dos processos de ensino e de aprendizagem quanto nas questões que se referem à cultura lúdica infantil. Almeja ainda oferecer ações extensionistas que permitam às crianças e adolescentes o contato e as vivências com situações maker e que contribuam para a formação de futuros(as) professores(as). Dessa forma, este texto descreve duas oficinas oferecidas, remotamente, para crianças no período de agosto de 2020 a maio de 2021. Os títulos das oficinas são “Construção de animações em Stop Motion” e “Construção de Quadrinhos Digitais com o StoryboardThat”. Este relato contempla desde o planejamento até a vivência de cada uma delas. Destaca-se que as atividades extensionistas desenvolvidas pelo LIPLEI lograram êxito. Conforme os pressupostos da Cultura Maker, foi viável a criação de encontros interativos que contaram com a participação e protagonismo das crianças. Também foi possível articular o uso das tecnologias digitais com processos educativos ativos, que garantiram às crianças uma aprendizagem criativa, lúdica e compartilhada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

A HISTÓRIA da Cultura Maker. ConvexNet, São Paulo, 21 de maio de 2019. Disponível em: https://convexnet.com.br/historia-da-cultura-maker/. Acesso em: 10 maio 2021.

BETTI, M. et al. A avaliação da Educação Física em debate: implicações para a subárea pedagógica e sociocultural. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 1, n. 2, p. 183-194, nov. 2004. Disponível em: http://ojs.rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/48/45. Acesso em: 23 dez. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na Meta 12.7 da Lei nº 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação - PNE 2014-2024 e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 243, p. 49-50, 19 dez. 2018. Disponível em: https://www.ufpe.br/documents/38978/2050074/resolucaon7_2018.pdf/7b55ee0a-c50e-47c1-94e9-68938235e3b5. Acesso em: 13 maio 2021.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf Acesso em: 11 maio 2021.

CAVALLINI, R. Movimento Maker na Educação. Makers, 2016. Disponível em: http://makers.net.br/omovimentomakerna-educacao/. Acesso em: 07 maio 2021.

FIA. Cultura Maker: o que é, importância e exemplos. FIA – Fundação Instituto de Administração, São Paulo, 13 de dezembro de 2019. Disponível em: https://fia.com.br/blog/cultura-maker/. Acesso em: 20 maio 2021.

FERREIRA, R. M. A inclusão das histórias em quadrinhos na educação brasileira. Traduzir-se, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 1-4, 2015. Disponível em: http://www.site.feuc.br/traduzirse/index.php/traduzirse/article/view/24. Acesso em: 12 maio 2021.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR BRASILEIRA (FORPROEX). Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus: FORPROEX, 2012. Disponível em: http://www.proexc.ufu.br/sites/proex.ufu.br/files/media/document//Politica_Nacional_de_Extensao_Universitaria_-FORPROEX-_2012.pdf. Acesso em: 26 maio 2021.

FREITAS, K. O. Histórias em quadrinhos digitais para o ensino de ciências na formação de professores dos anos iniciais. 2015. 135 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Educacionais em Rede) – Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Educacionais em Rede, Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/10663/FREITAS%2c%20KARINA%20OLIVEIRA.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 26 maio 2021.

MAKE: maker faire um pouco de história. Maker Media, 2020. Disponível em: https://makermedia.com/. Acesso em: 10 maio 2021.

MAYER, R. Multimidia Learning. 2. ed. University of California: Santa Barbara, 2009.

MARIANO, A. M. et al. Tornando-se um Digital Influencer: Um Estudo dos Fatores que Influem em sua Concepção. In: CONGRESO INTERNACIONAL AEDEM, 26., Reggio Calabria. Anais [...]. Reggio Calabria, 2017. p. 546-564.

NEVES, H. O movimento maker e a educação: como FabLabs e Makerspaces podem contribuir com o aprender. Fundação Telefônica Brasil, São Paulo, 01 de outubro de 2015. Disponível em: http://fundacaotelefonica.org.br/noticias/o-movimento-maker-e-a-educacao-como-fab-labs-e-makerspaces-podem-contribuir-com-o-aprender. Acesso em: 21 maio 2021.

PAPERT, S. A Máquina das Crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artmed, 2008.

RAABE, A. et al. Características do pensamento computacional desenvolvidas em aprendizes do ensino médio por meio de atividades makers. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 23., 2017, Recife. Anais [...]. Recife: SBC, 2017. p. 145-154.

REATEGUI, E. Interfaces para Softwares Educativos. RENOTE, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 1-10, 2007. DOI: https://doi.org/10.22456/1679-1916.14134

SABBATINI, M.; VIEIRA, S. S. Cultura Maker na Educação através do Scratch visando o desenvolvimento do pensamento computacional dos estudantes do 5° ano de uma escola do campo da cidade de Olinda-PE. Revista Docência e Cibercultura, v. 4, n. 2, p. 43-66, 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.50671

SARAIVA, J. L. Papel da extensão universitária na formação de estudantes e professores. Brasília Med, v. 43, n. 3, p. 225-233, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução nº 16, de 2 de outubro de 2019. Dispõe sobre as atividades de extensão e dá outras providências. Recife: Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, 2019. Disponível em: https://www.ufpe.br/documents/38978/2050074/Resolu%C3%A7%C3%A3o+16_2018+-+Nova+Resolu%C3%A7%C3%A3o+da+Extens%C3%A3o.pdf/8474f718-c88b-4e94-8212-2d1758f0a5e7. Acesso em: 13 maio 2021.

VALCACIO, E. S. V. O Brincar e a Tecnologia: as modificações das brincadeiras tradicionais e as influências tecnológicas na escola. Porto Alegre: Editora Fi, 2019. E-book. Disponível em: https://docplayer.com.br/209638327-O-brincar-e-a-tecnologia.html. Acesso em: 22 maio 2021.

Downloads

Publicado

13-12-2021

Como Citar

SILVA, V. R. V. da .; ANDRADE , D. A. de .; DE BONA, V. .; PAULA, G. G. B. de; SOUZA, K. P. S. .; JUSTINO , J. V. da C.; SILVA, J. M. da .; SILVA , E. D. P. da . Crianças e adolescentes em ação no LIPLEI:: uma experiência maker com oficinas remotas no cenário da pandemia . Extensão Tecnológica: Revista de Extensão do Instituto Federal Catarinense, Blumenau, v. 8, n. 16, p. 196–210, 2021. DOI: 10.21166/rext.v8i16.2144. Disponível em: https://publicacoes.ifc.edu.br/index.php/RevExt/article/view/2144. Acesso em: 4 fev. 2023.