Jardim sensorial como ferramenta didática e de inclusão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21166/rext.v8i15.1795

Palavras-chave:

Jardim sensorial , Pessoas com deficiência , Inclusão social , Espaços não formais de ensino , APAE

Resumo

Apesar da importância do componente curricular Floricultura, Paisagismo e Jardinagem oferecida no curso Técnico em Agropecuária, integrado ao Ensino Médio no Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Rio do Sul, percebe-se que muitos estudantes não desenvolvem interesse pelos conteúdos dessa disciplina. Isso se manifesta em relatos dos próprios estudantes, nos quais revelam que não acham esses conteúdos importantes para sua vida profissional ou acadêmica. A utilização de projetos e de espaços não formais de ensino no processo educacional podem despertar o interesse dos estudantes pelos conteúdos dos componentes curriculares. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi implementar um jardim sensorial como ferramenta no processo de ensino/aprendizagem dos estudantes do primeiro ano do referido curso, no componente curricular Floricultura, Paisagismo e Jardinagem, e disponibilizar a sua utilização/visitação aos alunos atendidos pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). Os resultados do projeto foram positivos, pois houve, por parte dos estudantes do IFC, sensibilização sobre o tema da inclusão social, além da dedicação no planejamento e implantação coletiva do jardim sensorial. Os estudantes avaliaram como positiva a estratégia de ensino fora do ambiente tradicional. Os alunos atendidos pela APAE, que visitaram o jardim sensorial, apresentaram melhora no desenvolvimento intelectual, motor, cognitivo e socioafetivo, além de demonstrarem grande entusiasmo na realização das atividades. Esta técnica apresenta potencialidade para ser utilizada continuamente como ferramenta no processo de ensino/aprendizado para todos os públicos, em especial, os com deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alexandra Goede de Souza, Instituto Federal Catarinense

Possui graduação em Agronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1999), mestrado em Manejo do Solo pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2005) e doutorado em Produção Vegetal pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2015). Atualmente é professora do Instituto Federal Catarinense. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Plantas Medicinais e Ornamentais, Fisiologia Vegetal e pós-colheita. Tutora do PET Agroecologia Rural Sustentável do IFC - Campus Rio do Sul.

Referências

BORGES, T.B.; PAIVA, S.R. de. Utilização do jardim sensorial como recurso didático. Revista Metáfora Educacional, n.7, p. 27-39, 2009. Disponível em: http://www.valdeci.bio.br/072009.html. Acesso em: 09 out. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Decreto Federal n. 90.922, de 6 de fevereiro de 1985. Regulamenta o exercício da profissão de técnico industrial e técnico agrícola de nível médio ou de 2º grau. Brasília: Diário Oficial da União, 1985. Disponível em: https://www.crtsp.gov.br/legislacao/. Acesso em: 09 out. 2020.

CAMACHO, G. S.; CUSTÓDIO, L. N.; OLIVEIRA, R. C. Roda das sensações: uma atividade interativa com plantas no museu. Em Extensão, v.12, n.1, p.77-88, 2013. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/issue/view/1002. Acesso em: 04 set. 2020.

ELY, V. H. M. B.; DORNELES, V. G.; WAN-DALL JUNIOR, O. A.; ZOZOLLI, A.; SOUZA, J. C. Jardim universal: espaço público para todos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA. Anais do Congresso Brasileiro de Ergonomia. Curitiba: ABERGO, 2006.

FORTE, S. T. Metodologia de projetos de arquitetura paisagística: aplicação ao caso de jardins terapêuticos. Dissertação (Mestrado em Arquitetura Paisagística - Instituto Superior de Agronomia, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2013. Disponível em:

https://www.repository.utl.pt. Acesso em: 30 set. 2020.

GERHARD, A. C.; ROCHA-FILHO, J. B. A fragmentação dos saberes na educação científica escolar na percepção de professores de uma escola de ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, v.17, n.1, p.125-145, 2012.

GRESSLER, S.C.; GÜIN-THER, I. de A. Ambientes restauradores: Definição, histórico, abordagens e pesquisas. Estudos de Psicologia, v.18, n.3, p.487-495, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2013000300009. Acesso em: 04 set. 2020.

LEÃO, J. F. M. C. Identificação, seleção e caracterização de espécies vegetais destinadas à instalação de jardins sensoriais táteis para deficientes visuais, em Piracicaba (SP), Brasil. Tese (Doutorado em Agronomia) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, São Paulo, 2007. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-18102007-104447/publico/TeseJoseLeao.pdf. Acesso em: 29 de mar. 2021.

MACHADO, E. C.; BARROS, D. A de. Jardim sensorial: o paisagismo como ferramenta de Inclusão social e educação ambiental. Revista de Extensão Tecnológica do Instituto Federal Catarinense, v.7, n.13, p.142-154, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.21166/rext.v7i13. Acesso em: 10 ago. 2020.

MATSUDA, S. da C.; CERRI-ARRUDA, A.; PENHA DOS SANTOS, A. A ludic garden with medicinal, aromatic, fruitful and ornamental plants might be a useful tool in science teaching. Cadernos de Agroecologia, v.8, n.2, p.1-5, 2013. Disponível em: http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/14157/9282. Acesso em: 12 nov. 2020.

NOGUEIRA, N. B. Pedagogia dos projetos: uma jornada interdisciplinar rumo ao desenvolvimento das múltiplas inteligências. 7ª ed. São Paulo: Érica, 2007.

PACHECO, E. M. Os Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília, DF: MEC/SETEC, 2010.

PEREIRA, B. de A.; SOUZA, A. G.de; MÜNCH, D.; BARA, O.; OLIVEIRA, L. N.de; GUTZ, M. L. Cultivando com mãos especiais. Revista de Extensão Tecnológica do Instituto Federal Catarinense, v.7, n.14, p.122-136, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.21166/rext.v7i14. Acesso em: 29 mar. 2020.

PEZZINI, C. C; SZYMANSKI, M. L. S. Falta de Desejo de Aprender. Causas e Consequências. Superintendência da Educação. (Org.). O professor PDE e os desafios da escola pública Paranaense; PDE 2007/Produção Didática. 1ed.Cutitiba: SEED/PR, 2011, v. II, p. 21-43.

PIMENTEL, B. A. F. Os espaços livres residenciais na cidade de São Paulo. Paisagem, Ambiente e Ensaios, n.11, p13-40,1998. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i11p13-40. Acesso em: 10 out. 2020.

RAMOS, M. N. História e política da educação profissional. Coleção Formação Pedagógica. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, v.5, 2014. 121 p.

RUFINO, C. S.; MIRANDA, M. I. As contribuições da pesquisa de intervenção para a prática pedagógica. Horizonte Científico, v.1, n.1, p.1-20, 2007.

SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. Disciplina escolar biologia: entre a retórica unificadora e as questões sociais. In: AMORIM, A.C.R.; SELLES, S.E.; MARANDINO, M. FERREIRA, M. S. (Orgs); Ensino de biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói. Ed. EDUFF, p.50-52, 2005.

SILVA, M. O. C; LIBANO, A. Botânica para os sentidos: preposição de plantas para elaboração de um jardim sensorial. Repositório Institucional UNICEUB, Brasília. 2015. Disponível em http://www.repositorio.uniceub.br/handle/235/6439. Acesso em: 04 set. 2020.

SIMÕES, J. F.; BISPO, R. Design inclusivo – Acessibilidade e Usabilidade em produtos, serviços e ambientes. 2ª. Edição, Centro Português de Design, 2006.

Downloads

Publicado

30-06-2021

Como Citar

SOUZA, A. G. de .; LUCIA FREITAS PANIZ, V. .; CONY QUINTEIRO, S.; DE ASSIS PEREIRA, B.; BARA, O.; CESAR LOURENÇO, B. . Jardim sensorial como ferramenta didática e de inclusão. Extensão Tecnológica: Revista de Extensão do Instituto Federal Catarinense, Blumenau, v. 8, n. 15, p. 129–150, 2021. DOI: 10.21166/rext.v8i15.1795. Disponível em: https://publicacoes.ifc.edu.br/index.php/RevExt/article/view/1795. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos