A gastronomia como ferramenta de transformação social: estudo de caso do Projeto Co[m]feito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21166/rext.v7i14.1202

Palavras-chave:

Gastronomia social, Projeto de extensão, Transformação social comunitária, Mundo do trabalho, Oportunidade profissional

Resumo

O Movimento de Gastronomia Social, criado por David Hertz, fundador da Gastromotiva, é uma rede global de comunidades locais interconectadas que usa o poder da comida como ferramenta para a mudança social. O projeto Co[m]feito: aprendendo e ensinando a fazer em comunidade, insere-se nesse contexto, com objetivo principal de promover a integração entre universidade e comunidade local, contribuindo para a capacitação profissional de sujeitos de baixa renda e sua inserção no mercado de trabalho. A Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), entende que o contato com a comunidade e os projetos de extensão são primordiais para expandir a visão de mundo dos alunos e professores que participam das atividades, com vistas à formação de profissionais cidadãos, conscientes de seu papel social. Para atingir os objetivos deste projeto, optou-se pelo método qualitativo e escolheu-se o estudo de caso como método investigativo e apoiou-se nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Foram realizadas, até o momento, três edições do Projeto: segundo semestre de 2018, e primeiro e segundo semestres de 2019. Em cada edição, uma acadêmica de gastronomia atuou como bolsista, ministrando as aulas de panificação e confeitaria básicas. Alguns dos resultados previstos dentro de uma das etapas foi a adesão de acadêmicos voluntários, superando as expectativas, com 36 alunos participantes, valorizando a importância do exercício da cidadania e da responsabilidade social e incentivando o fortalecimento dos vínculos de solidariedade entre os atores sociais. Além disso, houve inserção dos beneficiados no mercado de trabalho, bem como no Programa de jovens aprendizes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALBUQUERQUE, Flavia. Faturamento do setor de alimentos aumentou 2,08% no ano passado. 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-02/faturamento-do-setor-de-alimentos-aumentou-208-no-ano-passado. Acesso em: 21 abril 2020.

BAHLS, Álvaro Augusto; KRAUSE, Rodolfo Wendhausen; AÑAÑA, Edar. A compreensão dos conceitos de culinária e gastronomia: uma revisão e proposta conceitual. 2019. Disponível em: https://www.academia.edu/36712050/A_COMPREENS%C3%83O_DOS_CONCEITOS_DE_CULIN%C3%81RIA_E_GASTRONOMIA_uma_revis%C3%A3o_e_proposta_conceitual. Acesso em: 21 abril 2020.

BIONDI, Daniela; ALVES, Gabriela Cardozo. A extensão universitária na formação de estudantes do curso de engenharia florestal. Remea, v. 26, p. 209- 224, 2011

BOTOMÉ, Sílvio Paulo. Pesquisa alienada e ensino alienante: o equívoco da extensão universitária. Petrópolis: Vozes. 1996.

BUARQUE, Cristovam. A aventura da universidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

CHAUI, Marilena. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Unesp, 2001.

CHAUI, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, n. 24, p. 5-15, 2003.

CORBELLINI, Marcos; GERHARDT, Andrea. 2017. Desigualdade social: discriminação nos maiores municípios do Vale do Taquari/RS. Disponível em: https://www.unilasalle.edu.br/uploads/files/c454a18e6bf9ee8ff1b7310e8f9e46e0.pdf. Acesso em: 21 abril 2020.

DAGNINO, Renato. Como é a universidade de que o Brasil precisa? Avaliação, v. 20, n.2, p. 293-333, 2015.

DEMO, Pedro. Participação é conquista. Fortaleza: UFC, 1993.

DEPIERI, Adriana et al. Universidade e movimentos populares: diálogo urgente e necessário. In: ONÇA, Luciano Alves; CAMARGO, Eder dos Santos; PIERO, Alexandre. Cultura e extensão universitária: a democratização do conhecimento. São João Del-Rei: Malta, 2010. p. 68-76.

DEPIERI, Rafael. 2017. Dimensões conceituais da gastronomia. Disponível em: http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistacontextos/wp-content/uploads/2017/07/2.pdf. Acesso em: 21 abril 2020.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS (FORPROEX). Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus: Forproex, 2012.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7ª. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

GONÇALVES. Nadia Gaiofatto. Indissociabilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão: um princípio necessário. Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 3, p. 1229 - 1256, set./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/download/37162/pdfa. Acesso: 22 de out. 2020.

JEZINE, Edineide. As práticas curriculares e a extensão universitária. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, 2., 2004, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte. 2004

KLITZKE, Carla; SCHIOCHET, Valmor. Assessoria e apoio para a Rádio Comunitária Fortaleza “Adenilson Teles”. Dynamis, v. 5, n. 1, p. 6. 2009.

MULLER, Silvana Graudenz et al. Alimentação e Cultura: Preservação da Gastronomia Tradicional. Anais do VI Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul. Saberes e fazeres no turismo: Interfaces., Caxias do Sul, 2010. Disponível em: https://www.ucs.br/ucs/eventos/seminarios_semintur/semin_tur_6/arquivos/13/Alimentacao%20e%20Cultura%20Preservacao%20da%20Gastronomia%20Tradicional.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

NASCIMENTO. Francisco Paulo do. Classificação da Pesquisa. Natureza, método ou abordagem metodológica, objetivos e procedimentos. Capítulo 6 “Metodologia da Pesquisa Científica: teoria e prática – como elaborar TCC”. Brasília: Thesaurus, 2016. Disponível em: http://franciscopaulo.com.br/arquivos/Classifica%C3%A7%C3%A3o%20da%20Pesquisa.pdf. Acesso em 10 out. 2020.

NOGUEIRA, Maria das Dores Pimentel (org.). Extensão universitária: diretrizes conceituais e políticas. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

ONU. Nações Unidas. 17 Objetivos para transformar o mundo. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/ . Acesso em: 18 set. 2020.

PERRENOUD, Philippe. Escola e cidadania: o papel da escola na formação para a democracia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.

PINHEIRO, Richarlisson; SILVA, Maiara. 2018. A gastronomia como alternativa para a redução da desigualdade social: estudo de caso sobre o projeto social Gastromotiva. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/download/6133/14412/. Acesso em: 12 abril 2020.

PRODANOV, Cleber Cristiano. FREITAS. Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico – 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RICHARDSON, Roberto. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

ROCHA, Keli. 2016. A evolução do curso de gastronomia no Brasil. Disponível em: http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistacontextos/wp-content/uploads/2016/03/Edicao_completa.pdf. Acesso em: 21 abril 2020.

SAVARIN, Brillat. A fisiologia do gosto. São Paulo: Companhia das Letras. 1995.

SEBRAE. Cenário e Projeções para o Foodservice Impactos da COVID-19. In: FOODCONSULTING. Mercado e Vendas. [S. l.], 2020. Disponível em: https://bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/8c233ed92dca07e66f294229885fe74c/$File/19479.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Educação e universidade: conhecimento e construção da cidadania. Interface, v. 6, n. 10, p.117-124. 2002.

Downloads

Publicado

21-12-2020

Como Citar

ALVARES MATTIA, A.; DOMINGUES, J.; BORGES BECKER, L. L. .; ORLANDINI CUNHA, L. A gastronomia como ferramenta de transformação social: estudo de caso do Projeto Co[m]feito. Extensão Tecnológica: Revista de Extensão do Instituto Federal Catarinense, Blumenau, v. 7, n. 14, p. 170–187, 2020. DOI: 10.21166/rext.v7i14.1202. Disponível em: https://publicacoes.ifc.edu.br/index.php/RevExt/article/view/1202. Acesso em: 31 jul. 2021.

Edição

Seção

Relatos de Experiência