Microscópio Portátil Baseado em Dispositivo Móvel: Tecnologia alternativa de baixo custo para fins didáticos

Autores

  • Guilherme Pauli Instituto Federal Catarinense
  • Guilherme CAVALI Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna
  • Meinardo WOLFART JR. Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna
  • Mario WOLFART JR. Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna

DOI:

https://doi.org/10.21166/cpitt.v3i1.2908

Palavras-chave:

Tecnologias Educacionais, Microscópios Escolares, Manufatura Aditiva, Uso Pedagógico do Celular

Resumo

Embora a educação brasileira tenha passado por um grande crescimento em termos demográficos e de investimento público no período 2003-2014, os últimos resultados do exame internacional Pisa 2018 colocam o Brasil apenas em 57º lugar, demonstrando as dificuldades enfrentadas por instituições e políticas públicas para promover aprendizado de qualidade. Entre outras razões apontadas para o problema, apenas 44% das escolas de ensino médio contam com laboratórios de ciência no país, um dado alarmante tendo em vista o consenso em torno das aulas experimentais em laboratórios para construção do conhecimento em áreas como Física, Química e Biologia, o que é inviabilizado em parte devido ao alto custo dos equipamentos. O avanço da tecnologia dos Smartphones, contudo, apresenta inúmeras novas possibilidades para técnicas e métodos de construção de equipamentos para laboratórios, tendo em vista o baixo custo dos telefones celulares e o vasto número de aparelhos Smartphone existentes atualmente no Brasil. Este trabalho apresenta resultados de um projeto voltado a construir um microscópio portátil com base em telefone celular, para ser usado em aulas experimentais do ensino médio nas escolas públicas brasileiras. O projeto, baseado em manufatura aditiva, utiliza como câmera um Smartphone comum, e conta com sistemas de regulagem e adaptações para os mais diferentes estilos e modelos de celular. Espera-se que o equipamento seja empregado em situações onde não há necessidade de maior aproximação para análise dos materiais observáveis.

Biografia do Autor

Guilherme CAVALI, Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna

Técnico em Mecânica pelo SENAI-SC.
Estudante de Bacharelado em Engenharia Mecânica, IFC Campus Luzerna.

Meinardo WOLFART JR., Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna

Estudante de Bacharelado em Engenharia Mecânica do IFC Campus Luzerna.

Mario WOLFART JR., Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna

Doutor em Engenharia Metalúrgica e de Materiais pela UFRGS.

Referências

BARRETO, Gabriel Ginane; COSTA, Núbia Pereira. Microscopia óptica em escola pública. 2017. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/editora/anais/conedu/2017/TRABALHO_EV073_MD1_SA16_I D8952_14102017194309.pdf>. Acesso em: 29 dez. 2020.

CARMO, Solange do; SCHIMIN, Eliane Strack. O ensino da biologia através da experimentação. 2008. Disponível em: . Acesso em: 1 jan. 2021.

DE NEGRI, Fernanda. Por uma nova geração de políticas de inovação no Brasil. In: TURCHI, Lenita Maria; MORAIS, J. Mauro. (Orgs.). Políticas de apoio à inovação Tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: IPEA, 2017. pp. 25-46. ISBN: 978-85-7811-307-0

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica: notas estatísticas. Brasília: INEP, 2019

MEC – Ministério da Educação. Expansão da Rede Federal. 02 mar. 2016. Disponível em: . Acesso em 30 mar. 2021.

MENDES, Marcos. A Despesa Federal em Educaçao: 2004-2014. In: Boletim Legislativo, n. 26, 2015. Senado Federal. Disponivel em: <https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de-estudos/boletins-legislativos/bol26> Acesso em 25 mar. 2021.

OLIVEIRA, Aryanny. Irene. Domingos et al. O uso da experimentação nas séries iniciais do ensino médio para abordagem de conteúdos químicos. In: Ciclo Revista, v. set., n. 1, p. 1-6, 2016.

REGINALDO, Carla Camargo; SHEID, Neusa John; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. O ensino de ciências e a experimentação. 2012.

RIBEIRO, Ricardo da Silva et al. O microscópio como recurso didático nas aulas de ciências. 2013. Disponível em: <https://www.academia.edu/31049119/O_microsc%C3%B3pio_como_recurso_did%C3%A1ti co_nas_aulas_de_ci%C3%AAncias>. Acesso em: 3 jan. 2021.

SANTOS, J. S.; SILVA, E. P.; PEREIRA, I. A. C. Benefícios Pedagógicos do Uso de Equipamentos Celulares em Sala de Aula. In: Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 536-556, 1 ago. 2018. ISSN: 2447-4266. <https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2018v4n5p536>.

SCHLEICHER, Andreas. Pisa 2018: Insights and Interpretations. OECD, 2019.

SILVA, Carlos Eduardo Pereira da; MORAES, Thais Lacerda de; FREITAS, Joádson Rodrigues da Silva. Microscópio caseiro: uma alternativa para a melhoria do ensino de citologia nas escolas com ausência de laboratório de ciências. 2017. Disponível em: < http://www.editorarealize.com.br/artigo/visualizar/37457>. Acesso em: 3 jan. 2021.

SOGA, Diogo et al. Um microscópio caseiro simplificado. In: Revista Brasileira de Ensino de Física, n. 39, 2017.

VERMELHO. Pisa Confirma: A Educação no Brasil está em colapso. In: Diário Vermelho, 03 dez. 2019.

ZANOVELLO, R.; HORBACH, R. K.; LIMA, F. O.; SIQUEIRA, A. B. Reforçando práticas pedagógicas experimentais a partir da revitalização de um laboratório de ciências. In: Revista Contexto & Educação. v. 29, n. 94, p. 57–79, 2014.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Edição

Seção

Artigos