Avaliação da relação entre focos de Aedes aegypti com a distribuição espacial da temperatura no municipio de Itajaí/SC, por geoprocessamento

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Cleusa Matiola

Resumo

A dengue é uma doença viral que vem colocando em risco parte da população do mundo. O vírus é transmitido pelo Aedes aegypti, também transmissor do zika vírus e da febre chikungunya. O número de A. aegypti é significativo ao longo dos anos. As variações climáticas contribuem para o aumento do vetor. O objetivo deste estudo é avaliar a relação dos focos de A. aegypti com a temperatura, no município de Itajaí/SC, utilizando geoprocessamento, para um diagnóstico que
leve em consideração as caraterísticas locais e sua influência no desenvolvimento do vetor. Para isto, foi realizado modelagem estatística dos focos de A. aegypti, georreferenciamento dos endereços dos focos e tratamento de imagens termais, banda 10 Landsat 8. Na análise espacial das imagens termais, verificou-se que a áreas que apresentaram temperaturas mais elevadas, também foram as áreas aonde se localizaram os focos do mosquito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Matiola, C. . (2019). Avaliação da relação entre focos de Aedes aegypti com a distribuição espacial da temperatura no municipio de Itajaí/SC, por geoprocessamento. Metodologias E Aprendizado , 1, 30 - 35. https://doi.org/10.21166/metapre.v1i0.645
Seção
Artigos

Referências

AMORIM, M. C. C. T.; Dubreuil, V. As diferenças das temperaturas dos alvos diagnosticadas por meio de imagens termais do satélite landsat 8 em período seco e chuvoso em ambiente tropical. In: XII Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica, 2016, Goiânia. Anais do XII SBCG. Goiânia: Gráfica UFG, 2016. v. 1. p. 1034-1046.

DIVE – Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina. Boletim Epidemiológico n° 23/2019 Vigilância entomológica do Aedes aegypti e situação epidemiológica de dengue, febre de chikungunya e zika vírus em Santa Catarina. Santa Catarina. Disponível: http://www.dive.sc.gov.br/index.php/arquivo-noticias/935-boletim-epidemiologico-n-23-2019-vigilancia-entomologica-do-aedes-aegypti-e-situacao-epidemiologica-de-dengue-febre-de chikungunya-e-zika-virus-em-santa-catarina-atualizado-em-24-08-2019-se-34-2019 . Acesso: ago. 2019.

DIVE – Diretoria de Vigilância Epidemiológica, 2018. Dengue: Orientações técnicas para pessoal de campo. Santa Catarina: Florianópolis. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Base Cartográfica Digital. 2019. Disponível em: https://downloads.ibge.gov.br/index.htm. Acesso: jul. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatística. 2019. Disponível em: https://downloads.ibge.gov.br/downloads_estatisticas.htm Acesso: ago. 2019.

JARDIM, C. H. Variações da temperatura do ar e o papel das áreas verdes nas pesquisas de climatologia urbana. IN: Revista de C. Humanas, Viçosa, v, 10, n. 1, p. 9-25, jan/jun 2010.

LIMA, V. e Amorim, M. C. de C. T. A utilização de informações de temperatura da superfície, do NDVI e de temperatura do ar na análise de qualidade ambiental urbana. IN: Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011.

NASA – National Aeronautics and Space Administration. Landsat 8. https://landsat.gsfc.nasa.gov/landsat-8/landsat-8-overview/ Acesso: ago. 2019.USGD – Serviço Geológico dos Estados Unidos https://earthexplorer.usgs.gov/ Acesso: ago. 2019.

VIANA, D. V.; IGNOTTI, E. A ocorrência da dengue e variações meteorológicas no Brasil: revisão sistemática. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 16, p. 240-256, 2013.

WHO – World Health Organization. Dengue and severe dengue. https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/dengue-and-severe-dengue Acesso: ago. 2019.