Geotecnologias no mapeamento da COVID-19 no estado do Amazonas entre os meses de março a junho de 2020

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

João Cândido André da Neto
Natacha Cintia Regina Aleixo

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi mapear a disseminação dos casos confirmados da COVID-19 no estado do Amazonas, nos meses de março a junho de 2020. Para isso, foram coletados dados dos casos confirmados e óbitos na FVS/AM (Fundação de Vigilância e Saúde do Amazonas), dados vetoriais dos municípios (IBGE, 2019). Foram realizados mapeamentos da difusão espacial da doença no software QGIS 3.4, utilizando métodos de interpolação pelo Inverso da Distância Ponderada (IDW) e de categorização gradual-quantitativa, pautada nas normativas da cartografia temática. Os resultados alcançados pelo mapeamento da difusão espaço-temporal possibilitaram a identificação de aspectos coexistentes da difusão hierárquica no início da pandemia no estado e por contágio ao longo do tempo, e após três meses do primeiro caso no estado, verificou-se um total de 56.026 (cinquenta e seis mil e vinte seis) casos confirmados em 60 (sessenta) dos 62 (sessenta e dois) municípios do estado, que apresentaram casos confirmados de COVID-19. Conclui-se que a espacialização dos dados da COVID-19, possibilitou uma análise de como a doença se difundiu por praticamente todo território do estado, enfatiza-se que as geotecnologias e técnicas de geoprocessamento, mostram-se como ferramentas primordiais para análise do território, pois, permite a atualização de banco dados e elaboração de produtos cartográficos para respostas urgentes que podem contribuir com o planejamento e ações do poder público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Neto, J. C. A. da, & Aleixo, N. C. R. . (2020). Geotecnologias no mapeamento da COVID-19 no estado do Amazonas entre os meses de março a junho de 2020. Metodologias E Aprendizado , 3, 69 - 82. https://doi.org/10.21166/metapre.v3i0.1333
Seção
Mapas e desenhos industriais
Biografia do Autor

João Cândido André da Neto, Universidade Federal do Amazonas - Departamento de Geografia, Programa de Pós-graduação em Geografia- PPGEOG-UFAM e Laboratório HIDROGEO

Atualmente é professor Adjunto do Departamento de Geografia e Programa de pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Amazonas, coordenador do Laboratório de Hidrogeografia, Climatologia e Análise Ambiental da Amazônia ? HidroGeo. Atua como gerente da Revista Geonorte UFAM. Possui graduação em Geografia pela UFMS/CPAQ (2005), Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul CPAQ (2008) e Doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Presidente Prudente (2013) . Tem experiência na área de Geografia Física , com ênfase em Biogeografia, Geomorfologia, Cartografia, Sistemas de Informações Geográficas, Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento.

Natacha Cintia Regina Aleixo, Universidade Federal do Amazonas - Departamento de Geografia, Programa de Pós-graduação em Geografia- PPGEOG-UFAM e Laboratório HIDROGEO

Licenciada e Bacharel em Geografia pela Universidade Estadual Paulista campus de Ourinhos (2008). Doutora em Geografia (doutorado direto) pela Universidade Estadual Paulista campus Presidente Prudente (2012) com período sanduíche na Universidade de Coimbra/Portugal. Tem experiência no ensino superior nos cursos de graduação em Geografia, Biologia e Química e pós-graduação em Geografia. Atualmente é docente na Universidade Federal do Amazonas e reúne atividades de pesquisa nas áreas de Climatologia Geográfica, Geografia do Clima, Bioclimatologia Humana, Geografia da saúde, Climatologia urbana, Cidades e saúde humana, Climatologia da Amazônia, Riscos e Vulnerabilidades.

Referências

ALEIXO, N. C. R.; SILVA NETO, J. C. A.; PEREIRA, H. S.; BARBOSA, D. E. S; LORENZI B. C.. Pelos caminhos das águas: a mobilidade e evolução da COVID-19 no estado do Amazonas, Confins, 45, 2020. Consultado em: 04 junho 2020. URL: https://doi.org/10.4000/confins.30072

CATÃO, R.C. Expansão e consolidação do complexo patogênico do dengue no estado de São Paulo: difusão espacial e barreiras geográficas. 2016, 274f. Tese de doutorado em Geografia, UNESP: Presidente Prudente: 2016

FUNDAÇÃO OSVALDO CRUZ (FIOCRUZ). Monitora COVID-19: Nota Técnica 1, 2 de abril de 2020.

FUNDAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO AMAZONAS (FVS-AM). Boletins Diários Covid-19 do Amazonas, 2020. Consultado em: 14 junho 2020. URL: http://www.fvs.am.gov.br/publicacoes

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Regiões de influência das cidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

LONGLEY, P. A. et al. Sistemas e ciência da Informação geográfica. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.

MARTINELLI, M. Mapas da Geografia e Cartografia Temática. 6ª ed. São Paulo: Contexto, 2011.

SCHOR, T.; OLIVEIRA, J.A. Reflexões metodológicas sobre o estudo da rede urbana no Amazonas e perspectivas para a análise das cidades na Amazônia brasileira. ACTA Geográfica, p.15-30, 2011.

SPOSITO, M.E.B; GUIMARÃES, R. B. Por que a circulação de pessoas tem peso na difusão da pandemia. 26 mar. 2020. Disponível em: https://www2.unesp.br/portal#!/noticia/35626/por-que-a-circulacao-de-pessoas-tem-peso-na-difusao-da-pandemia. Acesso em 15/04/2020.