Os territórios da degradação do trabalho na Região Sul e o arranjo organizado a partir da COVID-19 A centralidade dos frigoríficos na difusão espacial da doença

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Fernando Mendonça Heck
Lindberg Nascimento Júnior
Roberto Carlos Ruiz
Fabrício Augusto Menegon

Resumo

O novo Coronavírus (SARS-CoV-2) ofereceu aos setores científico, político e econômico uma diversidade de desafios. Um deles é a difusão espacial da doença, que apresenta padrão urbano-rodoviário considerando sua concentração e dispersão no território. O presente artigo amplia essa análise incorporando atividades e serviços prioritários, como os frigoríficos, enquanto mais um fator de difusão espacial da doença, especialmente em sua fase de interiorização no Brasil. A avaliação foi desenvolvida a partir de relações entre frigoríficos e a ocorrência da COVID-19 na Região Sul, analisadas a partir do conceito de territórios da degradação do trabalho e da dinâmica processual da saúde-doença e seus múltiplos determinantes. Os dados relativos à localização dos vínculos e empreendimentos em frigoríficos e os casos confirmados da doença por município foram submetidos a mapeamento utilizando modelos convencionais da cartografia temática e técnicas de geoestatística. Os resultados sugerem áreas críticas e potencialmente críticas, considerando a similaridade e a difusão espacial da doença no âmbito local e regional. Aponta também para a preocupação com a disseminação da doença em virtude dos movimentos pendulares de trabalhadores e trabalhadoras e aponta os frigoríficos como potenciais centros de difusão da COVID-19 nos estados da Região Sul. Em síntese, a relação capital-trabalho e o processo saúde-doença se apresentam como uma das faces das relações sociais de produção e relações assimétricas de poder na sociedade capitalista que colocam os agravos à saúde do/a trabalhador/a como tendência objetiva e não acidental, fortuita ou natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Heck, F. M., Nascimento Júnior, L., Ruiz, R. C. ., & Menegon, F. A. (2020). Os territórios da degradação do trabalho na Região Sul e o arranjo organizado a partir da COVID-19: A centralidade dos frigoríficos na difusão espacial da doença. Metodologias E Aprendizado , 3, 54 - 68. https://doi.org/10.21166/metapre.v3i0.1332
Seção
Mapas e desenhos industriais
Biografia do Autor

Fernando Mendonça Heck, Instituto Federal de São Paulo

Possui graduação em Geografia pela UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná - campus de Marechal Cândido Rondon/PR, Mestrado e Doutorado em Geografia pela FCT/UNESP campus de Presidente Prudente. Autor do livro "No abate de frangos e suínos: o descarte do trabalho" (2017). Atualmente é Professor do Instituto Federal de São Paulo Campus Avançado Tupã. Coordenador do Centro de Estudos Sobre Técnica, Trabalho e Natureza (CETTRAN). Pesquisador da Rede CEGeT de Pesquisadores e do GEOLUTAS - Laboratório de Geografia das Lutas no Campo e na Cidade (UNIOESTE).

Lindberg Nascimento Júnior, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Londrina (2011), mestrado (2013) e doutorado (2013) em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2018). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina.Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geografia Física e Ensino de geografia. Atua em abordagens relativas à climatologia geográfica, geografia do clima, ensino de geografia física e formação docente, com temáticas orientadas aos estudos da variabilidade climática e clima urbano, riscos e vulnerabilidade, educação geográfica para relações étnico-raciais.

Roberto Carlos Ruiz, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Medicina pela Universidade São Francisco (1990), com especialização em medicina do trabalho (USF 1992). e residência em clínica médica (PUC SP 1994). Mestrado pela Universidade Estadual de Campinas (2001) em medicina preventiva e social. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Pública, Gestão em Saúde, Educação em Saúde e Saúde do Trabalhador.

Fabrício Augusto Menegon, Universidade Federal de Santa Catarina

Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (1999), Mestrado em Fisioterapia pela Universidade Federal de São Carlos (2003) e Doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2011). Professor do Departamento de Saúde Pública, do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) e do Programa de Pós-Graduação em Saúde Mental e Atenção Psicossocial (Mestrado Profissional) da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência em projetos na área de Ergonomia e Saúde do Trabalhador, estudos sobre intervenção ergonômica, condições de trabalho, processo saúde-doença no trabalho, epidemiologia ocupacional, políticas e programas em saúde do trabalhador, saúde mental e trabalho.

Referências

ARAUJO, L. A. Coronavírus: frigoríficos concentram um terço dos casos de covid-19 no RS, diz Ministério Público do Trabalho. BBC Brasil, São Paulo, 26 mai. de 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52802100. Acesso em: 09 jun. 2020.

BARATA, R. B. Cem anos de endemias e epidemias. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, 333-345, 2000.

BOSI, A. P. A recusa do trabalho em frigoríficos no Oeste Paranaense (1990-2010): a cultura da classe. Diálogos, Maringá, v. 17, n. 1, p. 309-335, 2013.

BORGHI, C. M. S. O. OLIVEIRA, R. M. SEVALHO, G. Determinação ou determinantes sociais da saúde: texto e contexto na América Latina. Trabalho, Educação e Saúde. Rio de Janeiro. v. 16, n. 3, 869-897, 2018.

BOULOS, M. N. K. GERAGHTY, E. M. Geographical tracking and mapping of coronavirus disease COVID-19/severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) epidemic and associated events around the world: how 21st century GIS technologies are supporting the global fight against outbreaks and epidemics. International Journal of Heath Geographics, v. 19, n.8, 2020.

BRASIL DE FATO. Frigoríficos descumprem normas e expõem milhares de trabalhadores ao coronavírus, em Chapecó (SC). 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=PtG_Ab1M7s4&feature=emb_logo. Acesso em: 09 jun. 2020.

COSTA, F. KONCHINSKI, V. BRF e JBS viram polo de contaminação em região mais afetada de SC, diz MPT. UOL, São Paulo, 28 mai. de 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/05/28/covid-19-brf-e-jbs-viram-polo-de-contaminacao-em-regiao-mais-afetada-de-sc.htm. Acesso em: 09 jun. 2020.

DYAL, J.W. GRANT, M.P. BROADWATER, K, et al. COVID-19 Among Workers in Meat and Poultry Processing Facilities ― 19 States, April 2020. MMWR Morb Mortal Wkly Rep, n.69, p.557–561, 2020.

GARBOIS, J. A. SODRÉ, F. DALBELLO-ARAÚJO, M. Da noção de determinação social à de determinantes sociais da saúde. Saúde em Debate. Rio de Janeiro. v. 41, n. 112, 63-76, 2017.

GEMELLI, D. D. Mobilidade territorial do trabalho como expressão da formação do trabalhador para o capital: o frigorífico de aves da Copagril de Marechal Cândido Rondon/PR. 2011. 263 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Francisco Beltrão.

GUILLAND, R. CRUZ, R. M. Prevalência de transtorno mental e comportamental em trabalhadores de indústrias de abate de suínos e aves no Sul do Brasil. Revista Colombiana de Psicologia, Bogotá, v.26, n.1, p.163-177, jan./jun. 2017.

GUIMARÃES, R. B. SPOSITO, M. E. B. Por que a circulação de pessoas tem peso na difusão da pandemia. Unesp Notícias, São Paulo, 26 mai. de 2020. Disponível em: https://www2.unesp.br/portal#!/noticia/35626/por-que-a-circulacao-de-pessoas-tem-peso-na-difusao-da-pandemia. Acesso em: 09 jun. 2020.

HAIR JR, J. F; ANDERSON, R. E; TATHAM, R. L; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. Tradução Adonai Schlup Sant'Anna e Anselmo Chaves Neto. 2005.

HECK, F. M. No abate de frangos e suínos: o descarte do trabalho. Curitiba: Prismas, 2017a.

HECK, F. M. O espaço e o contraespaço no circuito produtivo do capital da frigorificação de carnes no Oeste Paranaense. 2017b. 348 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

HOEK, L.V.D.; PYRC, K.; JEBBINK, M.F.; VERMEULEN-OOST, W.; BERKHOUT, R.J.M.; WOLTHERS, K.C.; DILLEN, P.M.E.W.; KAANDORP, J.; SPAARGAREN, J.; BERKHOUT, B. Identification of a new human coronavirus. Nature Medicine. 10, 4, 04/2004.

IBGE. Censo demográfico: 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010.

LACAZ, F. A. C. O campo saúde do trabalhador: resgatando conhecimentos e práticas sobre as relações trabalho-saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.23, n.4, 2007.

LAURELL, A. C. La salud-enfermedad como proceso social. Revista Latinoamericana de Salud, v.2, p.7-25, 1982.

LOURENÇO, E. A. S. Na trilha da saúde do trabalhador: a experiência de Franca. 1. ed. Franca: UNESP, 2009.

MACHADO, L. F. MUROFUSE, N. TREVISAN MARTINS, J. Vivências de ser trabalhador na agroindústria avícola dos usuários da atenção à saúde mental. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. 110, p.134-147, jul./set., 2016.

MAMED, L. H. A morfologia da imigração haitiana pelo Acre e o horizonte de inserção precarizada no Brasil. Ruris, Campinas, v.1, n.1, p.73-111, mar. 2016.

MARX, K. O capital crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, v. I Tomo 1, 1983.

MINAYO-GOMEZ, C. THEDIM-COSTA, S. M. F. A construção do campo saúde do trabalhador: percursos e dilemas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.14, sup.2, p.21-32, 1997.

NASCIMENTO Jr, L; RIBEIRO, E. A. W; MENEGON, F. A; SPRINGER, K. S; MONGUILHOT, M; MELIANI, P. REGINATO, V. S. C. Suscetibilidade à COVID-19 em Santa Catarina: uma proposta metodológica. Hygeia. no prelo.

NICOLELIS, M. “Vamos viver algo que nunca imaginamos na história do Brasil. E isso, nas proporções que vamos ver, não era inevitável” [Entrevista concedida a] Daniel Feix. Gaúchazh, 15 mai. 2020. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/noticia/2020/05/miguel-nicolelis-vamos-viver-algo-que-nunca-imaginamos-na-historia-do-brasil-e-isso-nas-proporcoes-que-vamos-ver-nao-era-inevitavel-cka89uqyt004j015n5u44sr42.html. Acesso em 09 jun. 2020.

PERPETUA, G. M. HECK, F. M. THOMAZ JUNIOR, A. Território, trabalho e saúde do trabalhador: uma aproximação necessária. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v.38, n.1, p.27-48, jan./abr. 2018.

RADAR COVID-19. Análise temporal dos casos confirmados de COVID-19. Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente. Disponível em: http://covid19.fct.unesp.br/mapeamento-cartografico/. Acesso em: 05 mai. 2018.

RAIS - RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS. Brasília: Ministério da Economia. Disponível em: <http://bi.mte.gov.br/bgcaged/login.php>. Acesso em: 09 jun. 2020.

ROCHA, P. R. DAVID, H. M. S. L. Determinação ou determinantes? Uma discussão com base na Teoria da produção Social da Saúde. Rev. Esc. Enferm. USP. São Paulo. v. 49, n. 1, 129-135, 2015.

SARDÁ, S. E. RUIZ, R. C. KIRTSCHIG, G. Tutela jurídica da saúde dos empregados de frigoríficos: considerações dos serviços públicos. Acta Fisiátrica, São Paulo, v.16, n.2, p.59-65, 2009.

SILVEIRA, A. L. MERLO, A. R. C. Superexploração e o processo de adoecimento pelo trabalho na indústria frigorífica de Chapecó/SC. Revista Grifos, Chapecó, n.43, p.254-286, 2017.

SORJ, B.; POMPERMAYER, M. J.; CORADINI, O. L. Camponeses e agroindústria: transformação social e representação política na avicultura brasileira. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008.

SOUSA, J. Coronavírus: Paranavaí amplia testes e tem maior incidência de casos da Região Sul. ParanáPortal, Curitiba, 12 mai. de 2020. Disponível em: https://paranaportal.uol.com.br/cidades/coronavirus-paranavai-testes-regiao-sul/. Acesso em: 09 jun. de 2020.

VARUSSA, R. J. Industrialização, trabalhadores e Justiça do Trabalho no Oeste do Paraná (década de 1990): algumas considerações. Tempo da Ciência, Toledo, v.13, n.25, p. 145-156, 2006.

WALTER, L. I. A saúde por um fio: submissão voluntária de afastados de frigoríficos de aves. Brasília: Abecer, 2012.

WHO. World Health Organization. Coronavirus disease (COVID-19) Pandemic. Disponível em: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019. Acesso: 20. Maio. 2020.