ESTADO DA ARTE SOBRE O YOUTUBE NA EDUCAÇÃO

  • Débora de Lima Velho Junges Instituto Federal Catarinense - Campus Fraiburgo
  • Amanda Gatti Instituto Federal Catarinense - Campus Fraiburgo

Resumo

O artigo tem como objetivo apresentar os resultados de um estado da arte das pesquisas que abordam o uso do Youtube como ferramenta de aprendizagem com vistas a responder a seguinte questão: como as pesquisas em Educação tem abordado e compreendido o uso do Youtube como ferramenta de aprendizagem? As ferramentas teóricas utilizadas no estudo são vinculadas à autores que abordam a temática das tecnologias educacionais. A metodologia utilizada se constituiu na busca, leitura e análise de produções acadêmicas dos últimos cinco anos a respeito da temática envolvendo o Youtube e a Educação no Catálogo de Teses e Dissertações da Capes. O exercício analítico identificou, dentre outros aspectos, as seguintes recorrências:  papel de protagonismo assumido pelos jovens que produzem vídeos e os postam no Youtube; existência de um cuidado com a linguagem utilizada nas narrativas produzidas, o que torna a aprendizagem mais eficiente e eficaz;  alunos e professores se manifestaram a favor do uso do Youtube como ferramenta de aprendizagem; e os participantes das pesquisas afirmaram que o uso dos recursos midiáticos, em especial o Youtube, são pouco explorados no ambiente escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Débora de Lima Velho Junges, Instituto Federal Catarinense - Campus Fraiburgo

Doutora (2017) e Mestre (2013) pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela mesma instituição (2010). Atualmente é Técnica em Assuntos Educacionais atuando junto ao Instituto Federal Catarinense. É membro do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação Matemática e Sociedade (GIPEMS) e do Grupo Interdisciplinar Pomares do Saber (GIPS) que integram o Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPQ. Interessada principalmente nos seguintes temas: educação matemática e práticas pedagógicas.

Amanda Gatti, Instituto Federal Catarinense - Campus Fraiburgo
Bolsista de Iniciação Científica

Referências

AMANTE, Lucia. Tecnologias digitais, escola e aprendizagem. Ensino em Re-Vista. v. 18, n. 2, p. 221-404, 2011.

AMÉRICO. Marcos. A Produção de Conteúdos Audiovisuais Educacionais Interativos para TV Digital. Anais do INTERCOM 2007 - XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Santos: ago./ set. 2007.

ARRUDA, Eucidio Pimenta. Ensino e aprendizagem na sociedade do entretenimento: desafios para a formação docente. Educação (PUCRS. Impresso). v. 36, p. 232-239, 2013.

BATISTA, Lucineia de Fatima Sena. Jovens Youtubers: Processos de Autoria e Aprendizagens Contemporâneas. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2014.

BOLL, Cintia Ines. A Enunciação Estética Juvenil em Videos Escolares no Youtube. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2013.

BURGESS, Jean; GREEN, Joshua. Youtube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

CANDAU, Vera Maria. Educação intercultural: entre afirmações e desafios. In: MOREIRA, Antonio Flavio; CANDAU, Vera Maria. (Orgs.) Currículos, disciplinas escolares e culturas. Petrópolis: Editora Vozes, 2014.

CAPES. Catálogo de Teses e Dissertações da Capes. Disponível em: <http://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/>. Acesso em: 02 mar. 2018.

CORREA, Adriana Moreira de Souza; PEREIRA, Hérica Paiva. O Youtube como ferramenta pedagógica em sala de aula: uma prática de letramento. Revista de Pesquisa Interdisciplinar. Cajazeiras, v. 1, Ed. Especial, p. 381 – 389, set./dez. 2016.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas "estado da arte". Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf>. Acesso em: 24 abr. 2018.

FREIRE, Joana Loureiro. Produzir comunicação na cibercultura: coisa de criança! Tese (Doutorado em Educação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2016.

KAMERS, Nelito José. O Youtube como Ferramenta Pedagógica no Ensino de Física. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2013.

KAMPFF, Adriana Justin Cerveira. Tecnologia da Informação e Comunicação na Educação. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2008.

LOPES, Ana Helena Ribeiro Garcia de Paiva. O olhar do aluno mediado pelas tecnologias digitais: o youtube e a (re)definição da relação pedagógica. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2014.

MATOS, Ricardo Valadão Siqueira. Estudantes equipados: as representações sociais da escola pública em audiovisuais postados no Youtube. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2016.

OLIVEIRA, Jackes Alves de. Educação Histórica e Aprendizagem da “História Difícil” em Vídeos de Youtube. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, 2016.

PACHECO, José. Sala de aula invertida. Revista Educação. v. 205, mai. 2014.

PASSOS, Geovanna. Aperte o play e assista! Youtube, a sala de aula dos gamers?. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2016.

SERRANO, Paulo Henrique Souto Maior. Cognição e interacionalidade através do Youtube. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação. v. 1, p. 04-29, 2009.

SIBILIA, Paula. A escola no mundo hiperconectado: Redes em vez de muros? Matrizes. Ano 5, n. 2, p. 195-211, 2012.

SILVA, Marco Polo Oliveira da. Youtube, juventude e escola em conexão: a produção da aprendizagem ciborgue. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2016.

YOUTUBE. Disponível em: <https://creatoracademy.youtube.com/page/course/platform?hl=pt-BR>. Acesso em: 06 jun.

Publicado
2020-01-31